terça-feira, 27 de setembro de 2016

RESENHA: OPERAÇÃO BURACO DE MINHOCA - LAURA BERGALLO.



Olá cupcakes do espaço! Hoje trouxe para vocês a resenha de um livro bem legal e com tema bastante importante, da minha parceira Laura Bergallo! Espero que vocês gostem. *-*




LIVRO: Operação Buraco de Minhoca.
AUTOR (A): Laura Bergallo.
PÁGINAS: 174.
EDITORA: Difusão Cultural do Livro.
SINOPSE: Um buraco de minhoca pode ser a salvação do mundo! Mas, espere ai, esse não é um buraco qualquer, é um buraco de minhoca sideral! Acontece que muitos anos se passaram e o planeta Terra está praticamente destruído! Essa idéia partiu de 14 jovens superdotados que fazem parte do projeto Arca de Noé. Eles nasceram e foram criados para a missão de viverem num outro planeta e dar continuidade à raça humana. Para isso, aprenderem Física, história, astronomia, Biologia, Antropologia e falam fluentemente várias línguas. Têm inteligência e conhecimento como poucos. Eles comandarão a viagem sem volta ao planeta Épsilon Eridani H, numa velocidade bem próxima à da luz.”


Este livro conta a história de um grupo de quatorze adolescentes superdotados, que serão a salvação da humanidade. O planeta Terra já não é mais o mesmo, a poluição tomou conta de todo o mundo, assim como a violência. Raças foram extintas, belas praias se tornaram favelas, geleiras derreteram, inundações aconteceram.

 Para tentar salvar a vida humana, o chinês Cheng-Gong começou um experimento chamado Arca de Noé, onde gerou (através de materiais genéticos adquiridos) 14 jovens de diferentes partes do mundo que iriam com ele e sua esposa a um novo planeta dar continuidade a humanidade. Contudo, Mira (uma das jovens) convence seus amigos a tentar salvar a Terra e não só a si próprios. Para isso, eles iniciam a perigosa Operação Buraco de Minhoca.

 A obra tem uma escrita bem jovem e de fácil compreensão, o que nos ajuda a refletir sobre o tema do livro. Todos nós sabemos que as questões ambientais estão sempre ficando de lado, e Laura (a autora) conseguiu falar disso em uma ficção super interessante. Eu estou totalmente com ela, a situação do planeta anda lastimável e isso, um dia mesmo você ou eu não estando mais aqui, vai acabar bem mal. Ultimamente eu vejo muita gente falando: “Por que eu vou cuidar se quando o planeta morrer, eu também vou estar morto a muito tempo?!” Ok, colega. Mas e seus filhos? Seus netos? As próximas gerações têm culpa? Elas terão que pagar, terão que sofrer por um mal que pode ser evitado desde já? Aqui fica um grande questionamento.

Em cada momento da leitura eu ficava tentando desvendar se Mira conseguiria cumprir seus objetivos, se tudo daria certo com a Terra e Épsilon Eridani H. Foi bem instigante!

A diagramação do livro é ótima. Possui divisão em capítulos tanto numerados quanto nomeados e a capa... Gente, que capa é essa? Toda cheia de detalhes e cores, fazendo uma ótima alusão ao espaço sideral.

Dos personagens, eu gostei muito de Mira. Ela tem certa teimosia, uma vontade e força de ir atrás do que quer que me faz sentir um imenso carinho por ela. Essas qualidades não se vêem muito por ai, mesmo em personagens. Dos outros, eu não posso falar muita coisa, pois os outros jovens não foram muito apresentados. Eu gostaria de conhecer mais deles, e esse fato me deixou um pouco triste em relação à leitura.

De todo, o livro é maravilho. É um bom tema para reflexão e... Quero saber o acontece depois! Quero continuação!!! Quero mais livros seus!

Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:

“Sei que com isso não estou salvando o mundo, mas pelo menos estou fazendo a minha parte. E é o que importa, não é?”

Ps: Só para lembrar, todas as resenhas estão disponíveis no Skoob. 

sábado, 24 de setembro de 2016

RESENHA: MULHERES QUE NÃO SABEM CHORAR - LILIAN FARIAS.




Oi oi oi meus cupcakes! Vocês estão bem? Hoje eu trouxe a resenha de um livro que você não pode deixar passar. O livro da minha incrível parceira, Lilian Farias!



LIVRO: Mulheres Que Não Sabem Chorar.
AUTOR (A): Lilian Farias.
PÁGINAS: 205.
EDITORA: Giz Editorial.
SINOPSE: “A vida de Marisa é regida pelo controle. Seja à frente do seu trabalho ou da vida dos filhos, ela é racional, mantendo-se sempre fria, um ser à parte das banalidades, cuja única preocupação é ser um exemplo. Olga é sua antítese. Sentimentos à flor da pele, dor flagelando a carne, pensamentos embaçados pelo esquecimento proporcionados pelo álcool. Sozinha, preocupa-se em apenas ser, em um mundo cercado por fatos que não reconhece mais como seus. Enquanto isso, Ana e Verônica esbarram ao acaso.

Duas senhoras solitárias, vizinhas e antagônicas. Será que um dia alguém acharia que poderiam viver em paz? Mais ainda, será que poderiam se apaixonar? Duas jovens livres e independentes. O que as impede de ficar juntas?

“Mulheres que não sabem chorar” é mais que uma história de amor entre iguais. Junto a estas personagens tão humanas, o leitor vê-se despido dos preconceitos, pudores e medos. Ora crua, ora poética, a trama nos obriga a enfrentar o espelho e se ver como nunca imaginou antes. Pois ao mergulhar neste romance, o que fará você pensar não é a forma como vê o amor, mas sim a forma com que ele se volta em sua direção. Esteja preparado.”


Este livro conta a história de quatro mulheres (Marisa, Olga, Ana e Verônica), que ao longo de sua vida foram muito maltratadas. Foram maltratadas por não serem as "mulheres ideais para a sociedade". Essas mulheres, nos desencontros da vida se encontraram. Permitiram-se amar. Permitiram-se esvaziar.


Desde o momento em que eu comecei a ler a obra, eu me empolguei e me prendi. Até mesmo os prefácios, incrivelmente inspiradores, me fizeram ter uma nova visão da vida, da sociedade. A autora escreve sem reservas, abordando temas como sexualidade, abusos e maus-tratos sem medo de preconceitos.


As personagens são muito bem construídas, nos fazendo entrar em sua realidade dolorosa. Tenho que confessar que não gostei muito de Marisa, eu entendi todas as reservas que a faziam ser daquele jeito, mas não consegui sentir um “apego” por ela. 


Porém, com Ana foi diferente. Eu gostei dela desde a primeira vez que apareceu, achei-a forte por ter passado por tudo aquilo e adorei o final dela.


Eu preciso falar da diagramação do livro? É perfeita, assim como seus ensinamentos. A capa é maravilhosa e a obra possui uma divisão de capítulos um tanto incomuns. 
Não são numerados, mas nomeados com flores que tem um significado todo especial a cada capítulo.


Todos, mulheres e homens, deveriam ler esse livro. Como Marisa diria, “o machismo não afeta somente mulheres, mas homens também”. E sim, isso é verdade. As polemicas faladas no livro, nada mais são do que fruto de machismo praticado por pessoas de todos os gêneros, classes sociais e idades no mundo de hoje, nos tempos passados e infelizmente serão levados para o futuro.


Mesmo que você não se considere uma pessoa machista ou uma feminista, leia esse livro. Se emocione. Se encante. Aprenda. Chore. Chore muito. Chore porque você pode, porque você é mulher, transexual, homem, o que for. Chore porque você não precisa se prender ou fingir “ser” perante a sociedade. Simplesmente seja quem quiser e o que quiser, e se para que isso aconteça você tiver que chorar, chore!


Com o final desse livro, eu fico um enorme buquê de prímulas silvestres. E para você, que ainda tem medo de ser quem quer ser, eu entrego um mundo inteiro de verbascos!


Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:


“[...] poderia dizer que um suicida tinha mais estima pela vida que ela.”


“Quando a gente vive com medo, tudo é pretexto para repudiar o novo.”


“Era muito para eu entender que aquela mulher estava anestesiada pelas agressões da vida.”


“Ela e seu sofrimento me levaram para uma montanha-russa em que me recusei a entrar por cinqüenta anos.”


“- É dor. É ácido que corrói. É ferida que não sara. É o mal da humanidade na minha derme. É muita dor.”


“Duvidam muito das mulheres, fazem piadas e nos chamam de sexo frágil. Mas quem já experimentou a força de uma mulher ferida sabe da nossa astúcia.”


Ps: Eu sei que escolhi vários trechos, mas com esse livro... Foi inevitável.


terça-feira, 20 de setembro de 2016

RESENHA: O PENHASCO - CARINE RAPOSO.



Olá meus cupcakes, como é que vocês estão? Hoje é dia de resenha, e se você gosta de um bom romance com pequenos toques sobrenaturais, fique por dentro do livro da minha parceira mais que fofa, Carine Raposo!




LIVRO: O Penhasco.
AUTOR (A): Carine Raposo.
PÁGINAS: 299.
EDITORA: Produção Independente.
SINOPSE: “Liza pensou que a viagem a Los Angeles seria apenas a celebração do seu aniversario. Nunca imaginou acordar no meio da noite em um Penhasco, com um homem misterioso que parecia se mover como o vento, cujos olhos hipnotizantes destacavam-se na escuridão. Tudo no estranho gritava perigo. E tudo em Liza dizia que valeria a pena se arriscar. Esse encontro traria algo inesperado. Ainda  assim, o lugar alto, o som do oceano e a árvore pareciam um sonho, e ele, fruto da imaginação. Até que ela acordou e o viu. Ele se espreitava no breu, no canto do quarto daquele hotel. Tentou chamá-lo, mas ele desapareceu. Somente quando o sol entrou pelas cortinas, Liza se deu conta : a cama de seus pais estava vazia.”



Um dos melhores romances que já li!


O livro conta a história de Liza, que em uma noite que ela pensava ser igual às outras, acordou a beira de um Penhasco com o homem mais lindo que já viu em toda a sua vida. Ela pensa estar sonhando, pois alguém como o dono daqueles lindos olhos que faziam jus as mais preciosas esmeraldas, só poderia ser fruto de sua imaginação.


Contudo, ao acordar, Liza se depara com ele em seu quarto. O estranho parece tão surpreso quanto ela, e a moça em seu desespero de fazer uma aproximação, nem se dá conta de que a cama de seus pais está vazia.


Liza passa os próximos meses de sua vida procurando seus pais, cuidando de sua irmã extremamente rebelde, e tentando se convencer de que não é louca e o estranho do Penhasco foi apenas um sonho. O que ela não sabe, é que ele não poderia ser mais do que real... Ou será que poderia?


A obra me prendeu desde a primeira palavra da sinopse até a última do epílogo (e que epílogo hein, Carine?). É narrado pela visão de Liza, embora vários capítulos sejam contados por outros personagens como Nathaniel, Raquel, Ethan, entre outros.

Os personagens, para mim, foram desenvolvidos muito bem, o que deixa claro as suas expectativas enquanto a história se desenrola. A diagramação é simplesmente linda, possuindo capítulos numerados e nomeados (particularmente, prefiro assim). A capa ajuda muito a ter a mesma visão de Liza quando ela fala do Penhasco, sem falar que seria linda de qualquer jeito.


Fiquei muito curiosa quanto aos pais de Nathaniel, o amor deles tão forte quanto à própria história de seu filho, me comove. E falando em história de amor, eu consegui com as palavras da autora, sentir o mesmo desespero de perder alguém que se ama, a mesma vontade louca de ficar perto a todo o momento, a mesma felicidade em viver só para poder olhar nos olhos da pessoa amada como os personagens. Senti-me um deles.


Posso dizer, eu acordei no Penhasco... E de lá não saio nunca mais! Que venha O Templo para alegrar meus próximos dias!


Deixarei abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:


“Mesmo certa de ser um sonho, estar nos braços dele, por aquele breve momento, me pareceu o fim da vida que eu conhecia. Proporcionou-me paz, me trouxe satisfação. O mundo pareceu certo de novo. [...]”


“Alguns segundos de martírio se passaram e seus lábios se uniram aos meus.
No inicio, ele apenas os roçou de leve. Um toque suave, feito as asas de uma borboleta. A maciez era nívea, e o gosto de sua boca, indescritível. [...]”



“[...] Pela primeira vez, ouvi o som calmante das águas que batiam e se uniam ao mar lá embaixo. Tudo se tornou, se fosse possível, ainda mais vivo e colorido. Antes eu via o Penhasco através de uma lente embaçada, hoje meus olhos estavam bem abertos.”

sábado, 17 de setembro de 2016

RESENHA: O ORFANATO DA SRTA. PEREGRINE PARA CRIANÇAS PECULIARES - RANSOM RIGGS.



Olá cupcakes, tudo bom com vocês? Bom, hoje vai ter resenha de um livro muito falado ultimamente. Espero que gostem!


LIVRO: O Orfanato Da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares.
AUTOR (A): Ransom Riggs.
PÁGINAS: 335.
EDITORA: Leya.
SINOPSE: “Tudo está à espera para ser descoberto em O orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares, um romance inesquecível que mistura ficção e fotografia em uma experiência de leitura emocionante. Nossa historia começa com uma horrível tragédia familiar que lança Jacob, um rapaz de 16 anos, em uma jornada até uma ilha remota na costa do País de Gales, onde descobre as ruínas do Orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares.
Enquanto Jacob explora os quartos e corredores abandonados, fica claro que as crianças do orfanato são muito mais do que simplesmente peculiares: elas podem ter sido perigosas e confinas na ilha deserta por um bom motivo... E, de algum modo, por mais impossível que pareça, ainda podem estar vivas.
Uma fantasia arrepiante, ilustrada com assombrosas fotografias de época, O orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares vai deliciar jovens, adultos e qualquer um que goste de uma boa aventura sombria.”


PA-RA TU-DO! QUE LIVRO É ESSE?


Este livro conta a história de Jacob, um jovem rapaz que está prestes a completar 16 anos. Após a morte de seu avô, Jacob faz uma viagem ao orfanato onde ele viveu para desvendar as histórias que ele lhe contava quando era criança. Mal sabe ele que elas podem ser reais...


Comecei a ler a obra pensando que seria uma leitura rápida, só para passar o tempo, não botei muita fé. Realmente, foi uma leitura rápida, mas foi por que eu não conseguia largar o livro de jeito nenhum!


A diagramação é incrivelmente boa, com divisão em capítulos numerados, com uma capa maravilhosamente linda e as fotos... O livro sem bom sem, mas com a presença delas o livro se torna incrível. Elas instigam o leitor e nos fazem querer continuar até o final.


Quanto aos personagens, gostei muito do avô do Jacob e claro, do próprio Jacob. Várias vezes me peguei rindo com os pensamentos dele. Quanto às habilidades me apeguei as de Emma, Olive e Millard.


Eu amei, amei, amei esse livro! Super recomendo, e estou louca para as continuações!


Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:


“[...] Eu tinha nascido no século errado, e me senti traído.”


“Ele tentou me agarrar, mas lentidão e bebedeira não são páreo para velocidade e um medo desgraçado.”


“[...] Pôs a mão sobre o buraco do tamanho de uma moedinha que eu fizera em sua garganta. Sangue escorria entre seus dedos e descia pelos braços. E sua força se esvaiu. Ele caiu de costas e morreu.”


segunda-feira, 12 de setembro de 2016

RESENHA: UM ROMANCE INAPROPRIADO - ANA FARIA.



Oi oi pequenos cupcakes! Hoje é dia de resenha! Vou apresentar para vocês um dos livros da minha parceira fofa, Ana Faria. Espero que gostem!


LIVRO: Um Romance Inapropriado.
AUTOR (A): Ana Faria.
PÁGINAS: Indeterminado.
EDITORA: Produção Independente.
SINOPSE: ”Rebeca ocupou o lugar de sua tia na casa dos Motta como governanta depois que Iolanda se aposentou. Pela primeira vez na cidade grande, a jovem tem a oportunidade de trabalhar enquanto cursa a faculdade para se tornar arquiteta.

Mesmo inexperiente, ela surpreende a sra. Mercedes Motta com suas habilidades e capricho. Mas há um problema: a moça é muito bonita, e a patroa tem dois filhos jovens e mulherengos nos quais nem a própria mãe confia. Iolanda e Mercedes obrigam Rebeca a prometer que nunca irá se relacionar com nenhum dos dois.

Contudo, morando debaixo do mesmo teto e sofrendo investidas diárias de Marcos e Antônio, será que a garota irá resistir ao charme dos bonitões? Será que algum dos dois conseguirá conquistar a atenção da moça? Até quando Rebeca conseguirá manter sua promessa?

Como Marcos e Antônio pretendem disputar essa mulher? Estão dispostos a lutar e brigar entre si para ver quem leva a melhor?”



Sabe aquele livro muito amor? Então, é esse!

O livro conta a história de Rebeca, garota interiorana que foi viver na cidade para estudar e substituir sua tia Iolanda, governanta na casa dos Motta. Jovem, ela fica extasiada ao chegar ao grande casarão da família e encantada quando é apresentada ao lindo filho da patroa, Marcos. Todavia, quando seus olhos se encontram com os de Antônio, seu coração acelera.

Sua tia, percebendo o encanto da moça pelos rapazes e o interesse deles por ela, obriga Rebeca a prometer que não se deixará conquistar pela lábia dos lindos homens, pois o emprego naquela casa era uma oportunidade que não poderia ser perdida. Mas, ao decorrer do tempo que passou lá, das coisas que aconteceram, será que Rebeca conseguirá manter sua promessa? Bom... Você só saberá lendo!

A obra foi de uma leitura um pouco demorada, pois foi lida de capítulo em capítulo de acordo com que a autora foi postando (utilização da plataforma Wattpad), mas a cada final de capítulo era uma angustia esperar o próximo.

É uma leitura muito fácil, com boa escrita e causa muita, muita curiosidade de uma parte para outra. A capa, já escolhida, é linda e mostra exatamente o que imaginei no começo, quando Rebeca chegou à casa dos Motta.

Os personagens são todos muito bem construídos, te fazendo sentir o que eles sentem e querendo fazer parte de sua vida. De alguns, como Antônio, eu senti raiva em muitos momentos por suas atitudes, mas acho que ele cresceu bastante na história, assim como Rebeca e Marcos.

Achei os capítulos finais um pouco curtos, por mim poderia ter se prolongado mais. Não em mais capítulos, mas sim com mais detalhes nos que foram feitos. Porém, isso não estragou nada, continua sendo um dos romances mais amorzinhos e cheio de ensinamentos, como caráter e religião, que já li.

Eu adorei, e com certeza lerei seus livros antigos e os próximos! Super recomendo!

Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:

“Mas pela primeira vez ele teve certeza de que com Rebeca não poderia ser só isso. Se fosse só isso, muita gente sairia ferida.”

“– Eu não quero viver uma aventura, Antônio. Quero escrever uma história.”

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

RESENHA: O INVERNO DE FRANKIE MACHINE - DON WINSLOW.




Oi oi meus Cupcakes! Hoje trouxe resenha de um livro internacional pra vocês se deliciarem. Espero que gostem! 


LIVRO: O Inverno de Frankie Machine.
AUTOR (A): Don Winslow.
PÁGINAS: 346.
EDITORA: Intrínseca.
SINOPSE: “Frank Machianno, empresário comprometido com seu trabalho, amante fervoroso, surfista nas horas vagas e pai orgulhoso, é um dos notórios pilares de sua comunidade. Frank, porém já foi um temido assassino de aluguel, outrora conhecido como Frankie Machine por causa de sua eficiência. Agora, alguém do passado o quer morto e, após um atentado malsucedido, Frankie decide descobrir quem são seus potenciais assassinos. Mas a lista de suspeitos é mais extensa que o litoral da Califórnia.
Com a máfia nos seus calcanhares e os policiais na sua cola, Frankie arquiteta um plano para proteger sua família, salvar sua vida e escapar para sempre da máfia. Mas é então que as coisas começam a ficar verdadeiramente complicadas.”

“Um thriller envolvente. Assim como o personagem principal de seu livro, o Sr. Winslow é bom no que faz.” – The Wall Street Journal.

É The Wall Street Journal, concordo plenamente!

Esse livro conta a história de Frank Machianno, o Cara das Iscas. Com sua generosa idade, é um dos maiores benfeitores da sua cidade, porém o que poucos sabem é que ele é um assassino de aluguel aposentado. Fankie Machine (como era conhecido em seu auge) volta à ativa após um atentado contra a sua vida. Ele se vê obrigado a descobrir quem o quer morto e por que, enquanto tenta salvar a vida da sua família.

A obra é de um dos meus gêneros preferidos e me prendeu desde a primeira linha. Winslow (o autor) trouxe muito de sua vida como detetive particular para dentro desse livro, deixando clara a violência quando se trata de máfias organizadas e política.

A diagramação do livro é muito boa, contém divisão em capítulos numerados, e a capa... O que é essa capa? Maravilhosa!

A história é muito envolvente, os personagens incrivelmente desenvolvidos. Frank me conquistou logo no começo, e mesmo tendo feito tantas coisas erradas em sua vida, não consigo não gostar dele. Afinal, ele é o Frank, o Cara das Iscas, e todo mundo ama o Cara das Iscas.

Dentre os outros personagens, quem atraiu a minha curiosidade foi Donna. Donna, a namorada de Frank, me enganou direitinho e ainda não sei se tenho raiva dela ou não. Não sei se ela merece perdão, e não compreendi muito bem a ultima “cena” dela no livro. Isso me deixou bem curiosa, então talvez eu retorne a leitura para entendê-la melhor.

Enfim, é um ótimo livro e eu super recomendo!

Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:

“Talvez seja a tempestade, pensa. Tempestades trazem lembranças do mesmo modo como trazem madeira para a praia. Coisas que você pensa que estão perdidas para sempre, e então, subitamente, lá estão: vagas, gastas, mas de volta.”

“A vida é como uma laranja gorda, pensa Frank. Quando você é jovem, aperta a fruta com força e rapidez, tentando tirar todo o suco rapidamente. Quando envelhece, aperta devagar, saboreando cada gota. Por que: um, você não sabe quantas gotas ainda lhe restam, e, dois, as últimas gotas são mais doces.”

“Mas Billy estava em modo reclamação, pensou Frank. Como uma mulher. Quando elas começam, não se conformam em apenas resolver o problema. Não, precisam desabafar.”

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

RESENHA: DESENCONTROS E DESENCANTOS - NATHALIA BATISTA.



Olá meus Cupocakes! Tudo bem com vocês? Bom, hoje eu trouxe a resenha do livro da linda parceira Nathalia Batista. Espero que gostem!


LIVRO: Desencontros e Desencantos.
AUTOR (A): Nathalia Batista.
PÁGINAS: 254.
EDITORA: Chiado Editora. 
SINOPSE: A Inglaterra, do inicio do século XIX, é palco de um romance repleto de paixão, dor, encontros, encantos, desencontros e desencantos.
O romance é composto por pessoas e com elas, tudo o que há de pior e de melhor no ser humano. São sentimentos explorados em uma cadencia lenta nas fases mais difíceis da vida de uma mulher.
Suzanne é uma doce e ingênua moça de dezessete anos, cercada e castigada pela maldosa Veronika, de quem era dama de companhia. A vida tem seu próprio jeito de ensinar aos ingênuos e proporciona um longo e árduo caminho à menina em meio a uma sociedade onde respeito e posição não raramente eram construídos com crueldade, inveja, mentiras, intrigas e vingança.”

Este livro conta a história da jovem Suzanne, uma adolescente que vive como dama de companhia de Veronika. Suzanne perdeu sua mãe ainda criança e não conheceu seu pai, e por um pedido de sua mãe no leito de morte foi acolhida pela Sra. Thompson, mãe de Veronika.

A jovem é alvo da inveja e desprezo da dama que acompanha. Sendo uma moça ingênua, apesar de todas as maldades que Veronika causa a ela, Suzanne vê bondade na dama e gosta dela. Porém, ela não imaginava que a moça que considera sua irmã, seria a causa de uma grande desgraça em sua vida: A separação de um grande amor.

O livro tem uma linguagem mais rebuscada, mas mesmo assim de fácil compreensão. Seus capítulos são divididos com números e nomes bem instigantes, e a capa é linda e chama muita atenção.

A obra me prendeu bastante, e apesar de alguns errinhos de continuidade e troca de nomes dos personagens, é uma história bem envolvente. Como dito acima, Suzanne era uma moça ingênua, e eu gostei de ver como amadureceu de corpo e espírito e se tornou uma mulher forte e decidida.

Um dos personagens que mais gostei foi o Duque Underwood, com todo o seu amor e gentileza para com Suzanne. A-D-O-R-E-I o sobrenome do Alexander por ser igual ao do Daniel Radcliffe (Harry Potter, sou super mega fã). Não vou mentir, eu gostei de ver a Veronika no seu estado final, foi mais do que bem feito!

Bom, eu amei o livro. Super indico para os amantes de romance de época, e para os não amantes também (variar no gênero é sempre bom)!

Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:

“Sentou-se lá e ficou olhando o pôr-do-sol, não haveria nada mais lindo do que aquele espetáculo crepuscular, apreciá-lo era como mergulhar na paz.”

“Não havia criatura mais bela na face da terra e nenhuma outra serviria para continuar sua família.”

“[...] Porém, agora a dor, ainda mais pungente e desalentadora, era como ferir-se por cima da antiga cicatriz.”

“A aceitação da verdade revela o grau de maturidade das pessoas.”