segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

RESENHA: UMA VEZ VOCÊ, UMA VEZ EU - DIEGO MARTELLO.




Oi pessoal! Hoje é dia de resenha? É sim! E dessa vez é de Uma Vez Você, Uma Vez Eu, confere! 💗




LIVRO: Uma Vez Eu, Uma Vez Você.
AUTOR (A): Diego Martello.
PÁGINAS: 181.
EDITORA: Novo Século.
SINOPSE: Marcos e Willian, pai e filho, tentam se reconciliar após anos de desentendimento. Em paralelo, Eva, mulher de Willian, quer a todo custo engravidar, o que frustra o casal. A partir da visão do interior de cada um, esses personagens terão de reconfigurar o modo de pensar para enfrentar os seus conflitos. Nessa fase tão conturbada para todos, reflexões acompanham cada segundo da trajetória deles.
Narrada de forma surpreendente, provocativa e crítica, esta obra não tem a pretensão de apresentar soluções para os problemas enfrentados, mas, sim, mostrar as armadilhas de nosso fluxo de consciência, para compreendermos que as soluções dos problemas dependem, muitas vezes, da forma como se lida com as ilusões, ou, ao contrário, como se enxerga verdadeiramente a realidade.”


“Uma Vez Você, Uma Vez Eu” é narrado por Willian, um homem que trabalha como consultor de empresas e recebe uma ótima oferta de trabalho. Fora isso, ele tem problemas gigantescos com seu pai e com sua mulher, Eva, enfrenta o problema de não conseguir ter filhos.

Levando em conta tudo isso, somado as suas inseguranças, Willian faz e refaz análises do seu interior. Em uma dessas análises, ele se reencontra com sua mãe que há muito tempo estava morta e ela o ajuda a solucionar seus problemas. Após algum tempo, ele percebe que isso não passou de um sonho, porém foi um sonho no qual encontrou muitas respostas e decidiu que faria as pazes com seu pai.

Realmente Willian e Marcos (o pai) se entendem e vão levando a vida. Contudo, em determinado momento, uma coisa surpreendente acontece e Willian percebe que mesmo se voltando para o seu interior com toda vontade, às vezes ele pode o enganar...

Tenho que confessar que no início eu fiquei um tanto quanto confusa com o rumo da história. O linguajar completamente reflexivo estava chegando a me incomodar e eu já estava começando a pensar “esse não é o meu tipo de livro”. Porém, assim como existe uma surpresa na história, houve uma surpresa em mim, quando eu percebi que estava entrando no ritmo, que estava me apegando à leitura. Eu estava mesmo gostando!

Diego (o autor) me transformou no seu personagem no decorrer da leitura, Todas as inseguranças, todos os medos, todos os questionamentos de Willian foram sentidos por mim. Isso fez com que eu invadisse os sonhos dele e ele se tornasse parte dos meus. Foi uma grande experiência.

Essa é uma daquelas obras que você vai lendo e vai pensando que é uma coisa, e no final é algo completamente diferente. E isso é legal, essa coisa de surpreender é um ponto forte na escrita.

Tive que conter meus impulsos de guardar praticamente todas as frases, pois muitas delas trazem consigo um significado maravilhoso. Trazem consigo certa magia!

O livro não foi feito para resolver os problemas do mundo (assim como é dito nele próprio), mas com uma absoluta certeza eu afirmo que seriam e é de grande ajuda para quem o lê. Ele ajuda o leitor a se entender, a se conhecer, a procurar soluções ao invés de fugir dos problemas. Algo assim é o que muitas pessoas precisam na vida!

Indico muito!

Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de (alguns) trechos:

“O novo, como uma locomotiva desenfreada em minha direção, me atiçaria ao movimento, à liberdade. Estava carente disso.”

“A dúvida e a insegurança podem nos fortalecer ou nos enfraquecer dependendo de nossa reação perante elas [...].”

“Lembranças, para mim, são como degraus construídos durante a vida e que até hoje me sustentam.”

“Se um dia não estiver exigindo de você, então você já não está mais vivendo”

"Por um momento, percebi que estava acostumado a me proteger sem motivos e a criar caminhos para que as coisas não acontecessem. Era mais fácil. Havia sempre a opção que me possibilitava não fazer o que não queria.”

sábado, 28 de janeiro de 2017

RESENHA: AMOR DE CORDEL - ANDREA MARQUES.




"Este romance vai despertar a paixão até mesmo nas mulheres mais modernas e independentes!" Confere a resenha do livro Amor De Cordel! ❤



LIVRO: Amor de Cordel.
AUTOR (A): Andrea Marques.
PÁGINAS: 398.
EDITORA: Pandorga.
SINOPSE:Aos 38 anos de idade, Carolina Borges achava que tinha a vida perfeita. Casada com Miguel, era feliz mesmo sem ter realizado o sonho da maternidade. No entanto, a convivência com o marido e seu bom desempenho profissional a deixavam satisfeita e segura. O destino lhe prega uma peça e, sem esperar, ela vê sua vida se modificar significativamente. Seu casamento chega ao fim, e sua carreira como terapeuta ocupacional, que sempre lhe proporcionou alegrias, passa a torturá-la. Isso acontece quando o jovem arquiteto Alexandre Bastos entra em seu consultório pela primeira vez, despertando em Carol sentimentos conflituosos que a farão repensar seus valores e a obrigarão a sair de sua zona de conforto para se arriscar em terrenos desconhecidos que poderão colocar em risco sua própria vida. Permeado por traições e intrigas, Amor de cordel é um romance contemporâneo que traz à tona assuntos do universo feminino, além de despertar a paixão até nas mulheres mais modernas e independentes.

"- Lembre-se que depois da tempestade vem a bonança, mas isso não quer dizer que as águas vão permanecer sempre tranquilas e você terá que escolher entre a sua vida e a de outros, mas isso pode significar a sua salvação."

“Amor de Cordel” conta a história da minha xará Carolina. Carol é uma moça chegando à casa dos quarente, bem resolvida, casada, com um trabalho ótimo (como terapeuta ocupacional) e a sua única aflição é não conseguir engravidar. Única aflição até que seu marido, Miguel lhe conta que está apaixonado por outra.

A partir deste momento, a vida de Carol muda completamente. Entre encontrar um novo lar, novas amizades e se adaptar a ter uma vida sem Miguel, ela encontra-se com um paciente que atrapalha seus sentidos.

Alexandre é jovem, lindo e rico, e se não bastasse só isso, é paciente de Carol. Contudo, isso não a impede se apaixonar. O que a impede de seguir em frente e embarcar nessa relação, são as barreiras que ela criou. Mas será que ela deixará tudo para trás para ficar com o galante Alexandre? E se sim, será que isso não trará consequências? Leia e descubra!

Confesso que dessa vez li a sinopse, porém foi como se não tivesse lido. Ela não me preparou para as surpresas (boas) que tive no decorrer da leitura. Com uma escrita fácil, a autora nos trouxe uma quebra de preconceitos incrível.

Andrea (autora) fala sobre o preconceito com os gays, preconceito com os idosos, preconceito com as pessoas que possuem deficiência, preconceito com as pessoas de classe menos abastadas e o preconceito que às vezes temos com nós mesmos.

A personagem principal, Carol, sofreu muito disso. Ela era mais velha, de classe média-baixa, a médica. O homem que ela amava era mais novo, de classe super alta, o paciente. Ela o amava e se recusava a se entregar por se achar inferior. Se você ama e é amado, não se importe, se entregue!

Apesar de eu ser bem mais nova do que a personagem (17/38), me identifiquei muito com ela. E não apenas pelo nome não! Sua relação com os pais, a timidez, a insegurança (quem não tem às vezes, não é?), a vontade de fazer tudo certo, dar orgulho... Atrevo-me a dizer que somos duas “Carols” iguais pelo espírito.

O romance, além de trazer tudo o que já foi dito, reafirmou para mim que se tem amor deve-se ir até fim! E claro, sem esquecer que conheci uma profissão nova (reconheço, nunca tinha ouvido falar de terapia ocupacional antes). Profissão essa que agora passei a admirar, mesmo que de longe.

Falando sobre a diagramação, é bastante boa. A capa bem colorida chama a atenção de longe e apesar de não entender bem no começo, mais tarde com a passagem sobre a flor abstrata (leia e entenderá) eu compreendi e achei bastante condizente. A única ressalva foi o titulo, que apesar de gostar bastante não consegui encaixar na história.

Ao terminar a leitura tive uma percepção clara do valor que ela trouxe para minha vida. Seja por ser um romance contemporâneo cheio de reflexões, seja por trazer conhecimentos valiosos, seja por trazer uma personagem forte e independente, ou simplesmente por ser um ótimo livro.

Recomendo bastante, e adoraria saber se haverá um “sim” para um dos últimos pedidos de Alexandre (fica a dica para uma continuação)!

Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:

“- Uma vez alguém disse que as pessoas não se incomodam em ver guerra e violência na tevê, mas ficam ofendidas ao verem dois homossexuais juntos. Isso é realmente um absurdo!”

“- Minha querida, por mais que você tente fugir da dor evitando situações perigosas, isso não quer dizer que você não vai mais sofrer. Se não for por uma desilusão amorosa, pode ser por doença, por falta de dinheiro ou por qualquer outra razão. O fato é que a vida está ai para ser vivida intensamente, e mesmo que a gente reclame, ela não dá garantia de nada.”

“- Tem coisas que são inevitáveis... a morte é uma delas.”




quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

RESENHA: BRISA FILOSÓFICA - MARCOS RENATO D'ALENCAR CARVALHO SILVA.



Hey pessoal! Trouxe ressenha de um livro fantástico, talvez  o melhor para aqueles que curtem um boa brisa! Vem conferir!



LIVRO: Brisa Filosófica.
AUTOR (A): Marcos Renato D’Alencar Carvalho Silva.
PÁGINAS: 199.
EDITORA: Porto de Ideias.
SINOPSE:Brisa Filosófica é um livro leve, moderno e intuitivo. Traz assuntos para reflexão individual e de interesse coletivo. É interativo e de conteúdo original, com respeito à liberdade de escolha e expressão de cada um. Concebido de forma poética, aborda temas como liberdade, corrupção, redes sociais, indignação popular, escolhas, preconceitos, bullying, amor, sexo, drogas, música, filmes, família, entre outras brisas e poesias.”



“Brisa Filosófica” nos traz uma ‘mistureba’ maravilhosa. Poemas, crônicas, listas de músicas e filmes (ainda não consegui assistir/ouvir todas, mas com certeza vou!) e ilustrações lindíssimas.

Totalmente livre de censuras, o leitor tem o prazer de ler os retratos da alma do autor, falando de política, cotidiano, bullying, preconceitos, saudade, amor, brincadeiras, e claro, sobre a amada por muitos, brisa.

Encontrei na obra, palavras de aceitação e uma grande interatividade autor/leitor, já que em muitas páginas, Marcos (autor) fala diretamente com a gente, nos convidando a responder suas tags, escrever e criar desenhos.

De um jeito divertido, podemos entender as opiniões do autor sobre certos assuntos. Obviamente, elas são dadas com muito respeito e reflexão. Um dos textos que mais provam isso é “Racismo Verde”, que conta uma história bem legal, mas que trata de um pré-conceito enraizado na mente de muitas pessoas.

Além de tudo isso, encontramos no livro, a liberdade. Sentida, vivida, imaginada, de qualquer forma ela está ali. E devia estar dentro de todos nós. A época em que a liberdade era cedida a poucas pessoas já passou há muito tempo. Não prenda, não se deixe prender. Seja livre e livremente viva!

Brisa é daquele tipo de livro que você abre ao acaso e encontra uma solução. Seja ela por meio das palavras do autor, das frases emprestadas de outros e anônimos (estrategicamente colocadas para dar uma perfeita harmonia), das reflexões que você faz ao ler uma simples frase. Frase essa que pode ser simples sim, mas pode trazer consigo um poder gigantesco.

Para ler esse livro, é preciso ter a mente aberta, ou deixar-se invadir pela escrita até que se torne uma nova pessoa. Mais tolerante, mais você, mais humana. É preciso “ser m tanto quanto foda, afinal, medianos, losers e normais já existem muitos”!
Super indico e me identifico com o livro!

Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:

“Se a liberdade o incomoda é porque você não a experimentou em sua magnitude.”

“Amo o intangível
tudo aquilo que não se compra
feito sonhos, feito brisa
feito vida, feito gente” – Invisível aos olhos.

“Do lado de cá, braços abertos e peito de travesseiro
Mãos a postos a te esperar para um carinho honesto
Quem é que sujeita seu amor à censura?
Liberte-se!”


Ps: Em breve terá sorteio desse livro no Instagram! 


segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

RESENHA: A IRMANDADE DAS OLÍVIAS (O DIÁRIO DA SONHADORA) - ANA CAROLINA ALMEIDA SOUZA.



Ooi meus cupcakes! Como estão? Hoje trouxe resenha do livro da parceira fofíssima, Ana. Quem ai vai querer ser uma Olívia também?




LIVRO: A Irmandade das Olívias (O Diário da Sonhadora).
AUTOR (A): Ana Carolina Almeida Souza.
PÁGINAS: 208.
EDITORA: Paka-Tatu.
SINOPSE: Trata-se do primeiro livro de uma trilogia. A cada 50 anos uma Olívia é escolhida para continuar a missão que Olívia Yale começou ainda no século XVI, lutar pelos sonhos dos outros. Mas a Olívia do século XXI não sabe muito bem como lidar com tanta responsabilidade. Sem contar que ela acabou de entrar para a faculdade, vai ter que começar a trabalhar e ainda tem Viktor. Esta jornada está apenas começando e no meio disso tudo Olívia vai precisar ter coragem, amadurecer e aprender que nem é sempre é bom confiar nos outros.”


No primeiro livro da trilogia Irmandade das Olívias, O Diário da Sonhadora, somos apresentados a Olívia Leona Maycidi. A adolescente tem uma vida pacatamente normal: namoro, amigas, dança, família, faculdade e festas.

Em uma dessas festas (a pré-formatura, de Lydia), em que ela vai para comemorar ter sido aceita na Universidade Yale, coisas no mínimo estranhas acontecem com ela. Contudo, é no baile final da escola que sua vida muda completamente. Olívia Leona é convocada por Olívia Lenox a fazer parte da Irmandade das Olívias lhe entregando um diário muito especial. Será que a nossa jovem e mimada Olívia do século XXI irá aceitar?

“MEU DEUS!” foi a minha reação durante toda a leitura do livro. Normalmente, eu não leio as sinopses dos livros, pois gosto de ser surpreendida, e esse foi um dos casos em que super deu certo. Foi uma surpresa atrás da outra!

A obra tem uma escrita super fluida (e um tiquinho de mitologia), tanto que comecei e só consegui desgrudar da tela do computador quando já tinha lido 16 capítulos. Sinto que esse primeiro romance, teve um final necessário (apesar de eu ter ficado: o quê? Mas já acabou?) para se tornar o prenúncio de uma grande e envolvente aventura.

A narrativa de Olívia é emocionante. Ela nos trata como velhos amigos, como se estivesse escrevendo uma carta contando sobre sua vida. Como se estivesse escrevendo para as próximas Olívias... Quem sabe?

Os personagens do livro e suas “classes” foram muito bem trabalhados, e com isso eu pude sentir todas as suas emoções. Viktor e seu amor por Olívia. Andy e suas explosões. Emma e seu jeitinho de apaziguadora. Olívia e a sua vontade de se provar, e mais para o final a sua vontade de fazer o certo, custe o que custar.

Tudo isso contribui para que o livro seja maravilhoso. Outra coisa que também contribui, é a diagramação. Possui capítulos numerados e nomeados estrategicamente. A capa? Ah, a capa, a meu ver, “imita” um surrado diário, como o que a personagem principal recebe. Coisa que eu amei!

Realmente indico muito esse livro, e que venha A Bússola do Destino!

Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:

“O amor é como uma droga, sabem? Vicia! Na verdade o amor não existe, não esse amor que todo mundo fala, do tipo “incondicionalmente”! Do tipo completamente lunático, sem qualquer fundo de razão ou noção! O problema com o amor, é que sempre que parece que está dando certo, é quando mais está dando errado, e por causa disso, não conseguimos deixar de comer comidas cheias de calorias por cerca de um mês.”

“Foi um daqueles momentos que o silêncio é mais significativo que palavras e que o sorriso que ele me deu fez com que eu ganhasse o dia.”

“[...] eu continuava com a impressão de estar presa, como a sensação que temos em um balanço: a liberdade moderada. Tão perto de voar, no entanto, presa por correntes.”

sábado, 21 de janeiro de 2017

TESOURO LITERÁRIO: PARCERIA MAIS QUE DEMAIS!




Boa noite cupackes! Como vocês estão? Espero que bem!

Normalmente, eu não costumo divulgar as minhas parcerias aqui no blog, mas por estar com alguns probleminhas em poder acessar o Instagram e por essa ser uma parceria mais que especial, o post Parceiros do T.A.B terá vez aqui no blog!

Nessa noite fria (pelo menos aqui), eu vim convidar vocês a conhecerem o Tesouro Literário. O projeto, criado pelas irmãs Ana Raquel e Luciana, te dá o direito de receber em sua casa um baú repleto com um livro, um item de colecionador referente a tesouro e um item referente à temática do livro escolhidos especialmente para você.

Como funciona:



No primeiro baú (caixa) o assinante receberá um mapa para completar durante os próximos meses para posteriormente ao completar o mapa, receber um tesouro extra.

Como o blog agora é oficialmente parceiro desse projeto incrível, as meninas estão dando para vocês um cupom de desconto. Os preços normais da aquisição do baú seriam R$ 65,00 + 10,00 de frete (para todo o Brasil), porém com o cupom Tea And Books os preços passam a ser R$ 60,00 + 10,00 frete mensais.

O legal é que se você assinar em um mês e no próximo não conseguir, tudo bem! Porque o projeto é livre de fidelidade, mas sempre estará esperando que você retorne.

Se você ficou interessado e quer embarcar nessa aventura usando o cupom terá de informar esse número da hora da assinatura: TL001LA

Para se inscrever é bem fácil, basta clicar nesse link: http://www.tesouroliterario.com.br/associese e responder ao formulário.

Seja parte do Tesouro Literário também, cupcake! 



sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

RESENHA: O ALIENISTA - MACHADO DE ASSIS.





Hey pessoal! Hoje é dia de resenha do novo recebido da editora parceira. Espero que gostem!





LIVRO: O Alienista.
AUTOR (A): Machado de Assis.
PÁGINAS: 105.
EDITORA: Vozes.
SINOPSE: O alienista faz parte da produção machadiana considerada realista onde Simão Bacamarte é o protagonista. Médico conceituado fora do Brasil, enveredou-se pela Psiquiatria, uma área ainda não muito explorada por aqui, por isso mesmo ainda envolta a mistérios e experimentações. Instalou-se no interior do Rio de Janeiro, onde fundou a Casa Verde, uma espécie de hospício e "centro" de pesquisas psiquiátricas, abastecendo-o de cobaias humanas para os seus experimentos.”



O livro “O Alienista” nos traz uma história muito peculiar. Seu personagem principal é Simão Bacamarte, um dos maiores médicos do Brasil, que com o intuito de estudar a loucura funda A Casa Verde (um hospital psiquiátrico) onde trancafia metade da população da vila onde foi morar.

Os cidadãos de Itaguaí ficam revoltados e decidem ir atrás do medico e da Câmara, já que ela compactua com a história. Após isso, Simão repensa seus preceitos de loucura e solta todos os “doidos” e recolhe o restante da população.

Tempos depois, ele percebe que cometeu grandes erros fazendo essas “prisões” e que somente um ser daquele lugar merece e irá ser trancafiado na Casa Verde, porém admitir isso se mostra mais difícil do que tudo que já fez.

Ler esse livro me mostrou que não existe loucura certa. A minha loucura para você, pode ser o extremo da sua lucidez e vice-versa. Machado consegue fazer essa ideia se entranhar na mente do leitor de forma brilhantemente cômica.

Em poucas páginas e com uma escrita rebuscada tradicional dos livros do autor, percebemos diversas teorias nas entrelinhas. Percebemos que a alienação que Simão fez com os habitantes de Itaguaí, pode ser facilmente confundida com a alienação feita pela sociedade dos dias de hoje.

Percebemos também, que ninguém nunca será completamente lúcido ou completamente maluco. Ambas as coisas andam de mãos dadas dentro do nosso subconsciente. E isso é bom, certo? Imagine você, se todos fossemos “normais” cientificamente, seria bem chato!

Atrevo-me a dizer que é uma grande sátira com diagramação condizente. O título, mesmo depois de tantos anos, faz um sentido absurdo. A capa e interior proporcionado pela editora retratam a imaginação do leitor.

Você, considerado louco. Você, considerado nada menos do que são. Leia esse livro. Leia e mostre para o mundo que você tem dos dois lados! Afinal, “de louco todo mundo tem 1% ou 2%”...

Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:

“Imagem vivaz do gênio e do comum! Um fita o presente, com todas as suas lágrimas e saudades, outro devassa o futuro com todos as suas auroras.”


“Verdade é que, se todos os gostos fossem iguais, que seria do amarelo?”

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

CONCURSO - BRASILEIROS POETANDO!








Hey pessoal! Quem me acompanha aqui já sabe que eu sou louca por poemas, então resolvi fazer um concurso!
📚


Esse concurso consiste em me enviar um poema feito por você (qualquer tema). Para participar é bem simples, basta ser seguidor do Instagram (link na barra lateral do blog) e do blog e me enviar no e-mail (carolinabragalima@gmail.com) seu poema, o perfil que usou para seguir o perfil o Instagram e o blog, seu nome completo, e claro ser brasileiro e residir no Brasil. Não se esqueça de colocar "Brasileiros Poetando" no assunto! 📚


A pessoa vencedora levará um kit com marcadores, botton e pôsteres diversos, porém exclusivos. Além disso, terá seus poemas postados no blog uma vez por semana durante um mês! 📚


Legal e fácil né? E olha só, o concurso terá fim no dia 28/02 e o poema vencedor será postado aqui e no Instagram no dia 01/03, ou seja, tem um bom tempo pra criar um poema 10 e chamar os amigos! 📚


O poema será escolhido por mim e será levado em conta (e muito!) a ortografia!

"Por isso é que os poemas têm ritmo – para que possas profundamente respirar. Quem faz um poema salva um afogado." – Mário Quintana.






 


segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

RESENHA: INFINITO AMOR - JOSELYTA ALECRIM.




Quem ai é daqueles que ama infinitamente? Ou gosta de um livro "wow!" ? Hoje é o dia de resenha de um livro perfeito para você! Confere 💗




LIVRO: Infinito Amor.
AUTOR (A): Joselyta Alecrim.
PÁGINAS: 313.
EDITORA: Produção Independente.
SINOPSE: “Um encontro casual. Alguns reencontros inesperados. 
Eva Campos aos 25 anos vivia sua vida no piloto automático. Mas tudo mudou ao cruzar com Enzo Dellanney, um homem lindo e sexy capaz de tirar o fôlego de qualquer mulher. 
Enzo 
Eu a quis desde o primeiro momento que a vi, mas ela estava fora dos meus limites. Pensei que nunca mais a veria, e de repente a reencontrei no lugar mais inesperado: na minha empresa. Eva parecia doce e delicada, mas eu estava completamente enganado, então desejei que fosse minha para sempre. Mas tudo parecia perfeito demais para ser verdade, e então ela me enganou. 
Eva 
Ele agitou meu mundo tranquilo e silencioso. Tive apenas uma prova dele num corredor escuro de uma boate. Mas quem poderia saber que era o meu chefe? Eu disse não a Enzo Dellanney, mas ele me fez querê-lo como não nunca quis um homem antes. Ganhei os beijos mais quentes que alguém poderia ter. O sexo mais intenso que uma mulher poderia desejar. Mas tudo parecia perfeito demais para ser verdade, e então ele me deixou. 
Será que o que eles sentem um pelo outro vai ser capaz de superar uma grande mentira? Ou terá sido um grande mal entendido...”


“Que seja eterno enquanto dure esse amor E que dure para sempre Para sempre, sempre, sempre Que a gente esteja junto aonde for E que dure para sempre Para sempre, sempre baby E que cada manhã quando o sol nascer Eu possa acordar e encontrar você Te reconquistar todo dia outra vez E sempre te amar como se fosse a primeira vez.” – Para sempre - All Star Brasil.



Infinito Amor conta a história de Eva Campos e Enzo Dellanney, um casal um tanto quanto improvável, impensável, inexistente. Era isso que Eva pensava, até que resolveu se deixar “passar um tempo” com seu lindo chefe, Enzo.

Esse tempo juntos não era nada mais do que isso: um tempo juntos. Eva estava ainda muito machucada com o fim de seu noivado com Caio pelo fato de não poder ser mãe. E quanto a Enzo, ah... Esse “deus grego” (Palavras de Alice!) nunca quis um relacionamento sério.

“- Que seja eterno enquanto dure, Eva.” (por isso o trecho da música).

Contudo, o casal E&E acaba se apaixonando mesmo sem querer e sem admitir para si mesmo um grande amor nasce. No dia que resolvem assumir sua relação, a discórdia nasce vinda de alguém inesperado... Será que os corpos dos dois irão conseguir ficar longe um do outro?  E seus corações? Isso eu deixo para vocês descobrirem!

Com palavras no mínimo “quentes”, Joselyta (a autora) nos acolhe no meio da vida de seus personagens. Como muitos livros, novamente esse vêm se parecendo com um diário, narrado intercaladamente pelo casal principal.

Como na vida cotidiana, sempre tem alguém “do mal” querendo atrapalhar a vida de todo mundo e é ai que conhecemos Samantha. Deixo claro que já a odeio, então não irei falar muito dela. Porém, existe aquela pessoa boa, e ela encontramos com vários nomes aqui, mas para mim as que ficarão marcadas são Alice e Dona Julieta.

Confesso que demorei um pouquinho de tempo a mais para finalizar a leitura, pois as emoções estavam muito fortes e eu queria mantê-las comigo, então fiz de propósito mesmo. Toda vez que lia uma linha, era absorvida e não queria que isso acabasse.

Eu amei as cenas “wooow”, elas não retratavam somente a intimidade de um casal, mas esse mesmo casal se descobrindo perfeitos um para o outro. Retratavam um amor que sempre esteve ali, só esperando para ser descoberto. Retratavam um Infinito Amor.

Eu fiquei destruída com o final? Fiquei. Estou de ressaca? Estou. Mas estou gostando disso, tem um tempinho legal que não “sentia” um livro com tanta intensidade assim, apesar de amar os que venho lendo.

Para finalizar, vou deixar um pedido: Eu vou amaaaaaaaaaaaaar conhecer um livro só com a história de Alice e Enryque, desde o início, então se estiver pensando em escrever Joselyta, não deixe só no pensamento!

Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:

“É estranho ter uma pessoa em sua vida num minuto e no outro não ter mais. é como a imprevisibilidade dá morte. a diferença é que você sabe que essa pessoa está em outro lugar, mas não por escolha.”

“O amor não abandona;  é compreensível, completa e sempre busca alternativas.”

“E então estamos juntos novamente, em perfeita sintonia, como se fossemos velhos conhecidos, tão íntimos que surpreende, tão dependentes que assusta.”

“Os que amam profundamente, jamais envelhecem, podem até morrer de velhice, mas permanecem com a alma jovem. Infelizmente a missão dele aqui foi mais curta que a minha, e ele se foi.”

“Não deveria estar sentindo tanta falta, mas não importa o tempo que alguém está em sua vida se esse alguém torna tudo maior e mais intenso. Ele é o meu recomeço.”


quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

RESENHA: POEMAS DE ORIGAMI - JULIA MIKITA E ISABELLA PAWLAK.




Ooi gente! Quem ai cure m poema? E quem curte um origami? Bom, hoje eu trouxe para vocês um livro que traz a magia dos dois! 💕



LIVRO: Poemas de Origami.
AUTOR (A): Julia Mikita e Isabella Pawlak.
PÁGINAS: 50.
EDITORA: All Print.
SINOPSE: Poemas a sete mãos. Origami é uma arte milenar do Japão, que consiste na criação de formas através da dobradura de papéis, sem o uso de cortes. Poema é uma obra literária, que emociona e sensibiliza o leitor. Os Poemas de Origami representam a união da sensibilidade humana com a habilidade manual de poder criar formas apenas com um pedaço de papel; escritos a 7 mãos por duas jovens poetas: favorecendo a concentração, a paciência, a inspiração, a emoção, a dedicação, a composição e a satisfação pessoal de fazer algo realmente criativo entre centenas de dobraduras, versos, estrofes ou simplesmente prosa, repleta de sentimento, profundamente humana; sob os auspícios de paz e harmonia, das quatro estações do ano, que registram através de um haicai, o passar do tempo entre o céu e a terra, do Oriente ao Ocidente. São poemas do Brasil para o Japão, e do Japão para o mundo, oriundos do Porto de Santos, onde em 1908 aportou o navio Kasato Maru, trazendo a bordo os primeiros 781 imigrantes japoneses.”



“Se meu coração puro brilha, a lua pensa que essa luz lhe pertence.” – Monge Mayoe.

“Poemas de Origami” é uma coletânea de poemas divididos em cinco partes: “verão”, “outono”, “inverno”, “primavera” e “Yoko, de Hiroshima”. Os poemas falam de coisas e delicadas, como flores, até coisas mais sérias, como saudade ou morte.

Com uma escrita simples e um vocabulário fluido, as autoras irmãs nos trazem uma paz espiritual parecida com a paz sentida quando se transforma um pequeno pedaço de papel em um belo Tsuru (pássaro de origami).

Nunca pensei que ler um livro tão pequenino como esse iria me deixar tão contente comigo mesma ao final. As autoras realmente capricharam a cada estrofe, a cada verso. Colocaram seus próprios sentimentos e eles viraram meus a cada página virada.

Além de ter me transmitido tanta paz, leveza e amor, a leitura desse livro me ensinou muito sobre o mundo dos origamis e eu adorei ter aprendido pela perspectiva de duas autoras com idades tão próximas a minha. Isa, Ju... Obrigada por isso!

Tenho que confessar que me apaixonei por todos os poemas, mas dois deles me arrebataram: “É preciso” (outono) e “Momentos” (primavera). Ambos seriam capazes de tornarem mantras por si só.

Para quem não tem o hábito de ler poemas, esse é maravilhoso para começar. Já quem tem esse hábito, super indico!

Deixo abaixo, para vocês, meu poema escolhido:

Momentos

“A vida é feita de momentos,
Eles preenchem os espaços vazios,
São vários fragmentos,
De uma vida cheia de sentimentos.

Os momentos são rápidos,
Passam num instante,
Não obstante,
Guardamos os mais importantes.

Eles não podem ser guardados,
Ou congelados,
Vivem no agora...
E morrem no já foi.”

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

RESENHA: O LIMPADOR DE QUINTAIS - AFONSO CELSO BRANDÃO DE SÁ.




Boa tarde cupcakes! Hoje tem resenha de um parceiro já conhecido de vocês! Espero que gostem!



LIVRO: O Limpador De Quintais.
AUTOR (A): Afonso Celso Brandão de Sá.
PÁGINAS: 152.
EDITORA: Chiado.
SINOPSE: Esta é a história de um menino que, por força da miséria e da pobreza, da injustiça e da violência, do descaso e da omissão da sociedade, esteve à beira da perdição.
É a história de uma vida sofrida, quase perdida nos descaminhos, dúvidas e desencontros de uma infância vivida sem amparo.
É a história do encontro das drogas, da criminalidade e da banalização do sofrimento, mas é também a história de uma oportunidade mostrada por um desconhecido que resolve mostrar o caminho da paz e da luz a uma criança quase sem futuro.
Esta é uma história de amor, de luta, de paz, de desespero e, também, de perseverança.”


“- Será que Deus sabe que existo?”

O livro “O Limpador de Quintais” conta a história da família Santos. Moradores da Favela Esperança, viviam na miséria e com a crise que se passava na época, seu Antônio (pai de família) acaba perdendo seu emprego de pedreiro e aceita, mesmo sem saber do que se tratava, ser traficante.

Contudo, essa escolha acaba trazendo desgraça para toda família, e como uma desgraça nunca chega sem acompanhantes, muitas outras coisas acontecem levando o pequeno “caçula”, Dudu, a ter que fugir de casa. Sozinho, vivendo nas ruas com fome, frio e infelicidade, será que um dia ele encontrará o caminho de sua vida?

Está é a segunda obra que leio do autor, e como a primeira essa também é completamente reflexiva. Digo isso, pois apesar de ser uma história fictícia, é baseada na realidade do cotidiano brasileiro.

A vida do pequeno Dudu é igual à de muitos outros jovens e eu gostaria que todos 
tivessem um fim parecido com o dele: feliz e com perdão. Sim, perdão. Pois uma das coisas que mais vemos no livro é esse ato grandioso. Outra coisa que percebemos com incrível nitidez é o crescimento interno do personagem principal.

Com uma escrita fluida e leve, somos apresentados a uma maravilhosa história de superação e rompimento de obstáculos impostos pela sociedade desleal dos dias de hoje. Com esse livro aprendi coisas que estarão comigo por toda a minha vida!

Apesar de não ser uma pessoa completamente ligada à religião hoje em dia, para mim um dos pontos mais emocionantes do escrito foi quando ao limpar um quintal, o menino Dudu conheceu seu Oslec e este lhe reapresentou aos caminhos divinos, despertando no rapaz o intenso desejo de se transformar em um “pastor de almas”. 
Esse capítulo foi de ler com os olhos pingando.

Falando em capítulos, a diagramação do livro conta com uma divisão em capítulos nomeados. Na diagramação vemos que foi trabalhada com carinho também a capa, já que ela é linda demais!

Realmente, este é um livro que faz mudanças na alma! Super indico.

Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:

“A dor faz esquecer a dor.”

“D. Lucília ficou na porta olhando o filho mais velho distanciando-se no meio dos barracos levando, dentro da mala velha junto com suas poucas coisas, um pedaço do seu coração.”

“- Porque, mesmo Ele nos mostrando o bom caminho, deixou-nos a liberdade para escolher qualquer um e, se nós escolhermos o caminho errado, então vamos ter dificuldades e encontrar pessoas más.”

“A vida ensinava rápido demais e, muitas vezes, não era pelo melhor método.”