quinta-feira, 9 de março de 2017

RESENHA: CELA SEM PORTAS - MARCEL TRIGUEIRO.




Boa tarde pessoal! Hoje trouxe a resenha do livro sequencial ao da última. Espero que gostem!



LIVRO: Cela Sem Portas.
AUTOR: Marcel Trigueiro.
PÁGINAS: 323.
EDITORA: Produção Independente.
SINOPSE: ”Portador de uma forma rara de esclerose, Miguel consegue mover apenas os olhos, pálpebras e parte da mão direita, o que lhe permite ter um mínimo de independência para portar-se normalmente no mundo cibernético e sair-se relativamente bem na escola. Como ontem foi dia dos professores, Miguel redigiu e sua mãe transcreveu de próprio punho uma pequena carta que pretendem entregar à professora preferida dele, numa singela homenagem, assim que ela chegar para dar aula.
Nessa mesma manhã excepcionalmente quente de primavera, pouco mais de quinze pessoas são feitas reféns por dois homens armados dentro de um ônibus próximo à Lagoa Rodrigo de Freitas. Tirar as vítimas das garras daqueles sequestradores deveria ser competência exclusiva das forças policiais cariocas. Entretanto, depois que a Polícia Civil começa a agir e a imprensa monta seu aparato para que todo o país fique ciente do que está acontecendo, uma fatalidade faz com que o agente federal de Inteligência Matheus Erming entre na operação. A partir daí, a situação vai ficando cada vez mais desesperadora para todos os que acompanham o sequestro.
Para Miguel e sua mãe, que assistem a tudo na escola, o desespero e a sensação de impotência são amplificados quando se deparam com uma dura realidade e uma possibilidade talvez não tão remota. A realidade: a professora não chegará a tempo para a aula. A possibilidade: que aquela carta jamais seja lida.


“A minha cela não tem portas. Tem apenas uma minúscula janela, por onde jamais conseguirei passar. Mas se essa janela está hoje totalmente aberta, é graças a pessoas especiais como você.”

“Cela Sem Portas” conta uma nova história da trajetória do agora detetive, Matheus Erming. Em uma manhã tipicamente quente do Rio de Janeiro, ele recebe a notícia que alguém que conhece há muito tempo faleceu e pode estar envolvido em um evento cheio de terror.

Esse evento é o sequestro de um ônibus, com cerca de 15 reféns, por dois homens que querem a liberdade de um chefão do crime. Dentre esses reféns está Ângela, uma professora muito querida que dá aulas para uma turma de adolescentes especiais, como Miguel.

Miguel é portador de esclerose e consegue movimentar apenas pouquíssimas partes de seu corpo, contudo esse controle – ainda que pequeno – poderá ajudar muito Matheus e Ângela. Afinal, nem sempre podemos saber quem está do nosso lado...

Mais uma vez, Marcel (o autor) conseguiu me surpreender e reafirmar a minha paixão por esse gênero literário. Como disse na resenha do primeiro livro (leia aqui), “Cela Sem Portas” prometia, e acabou se superando.

Com menos informações técnicas, somos apresentados a uma variedade maior de personagens. Ou seja, as cenas se intercalam umas com as outras e são separadas por horas referentes ao sequestro (salvo algumas cenas de anos anteriores).

Em todas as páginas enfrentamos uma corrida contra o tempo com os personagens já que os ‘cavalheiros do sequestro’ afirmam que a cada hora sem a liberdade de seu chefe, uma pessoa morrerá. E dessa afirmação, muitas surpresas são vistas.

Incrivelmente envolvente, a trama - narrada novamente em terceira pessoa – nos faz querer ler mais e mais sem nem tirar os olhos do livro. Sofri por ter terminado e ter que me desvencilhar dos personagens.

Com a diagramação simples, mas linda, e sem erros como o primeiro livro, essa obra deve ser lida por todos os amantes de suspense. Já tive vários pedidos de empréstimos!

Super amei ter mais esse convívio com essa escrita divina. Quero mais!

Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:

“Não havia limites para a crueldade e a covardia, isso era uma coisa que se aprendia depois de alguns anos na polícia.”

“[...] Sim, dava valor a pequenas coisas, até por força do destino, e uma das coisas ditas pequenas na realidade são enormemente importantes é a amizade. Simples amizades sinceras davam sentido a sua vida.”

“Quem dispara uma vez, dispara duas.”

2 comentários:

  1. Adorei a foto que você tirou e este livro embora tenha ido para a outra adm, deixou-me completamente interessada! Parece fantástico, e pela sua resenha, ele o é. Adoro livros com essa temática e abordagem, desejo sucesso ao autor e que ele receba reconhecimento com sua obra :)

    Um beijo, Carol
    Blog com V.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo que já li de suas resenhas, você iria gostar mesmo desse livro. Espero que consiga lê-lo um dia. Beijão <3

      Excluir