segunda-feira, 6 de março de 2017

RESENHA: O PRÓXIMO ALVO - MARCEL TRIGUEIRO.




Hoje a resenha está "pro crime"! Vem conferir a trajetória cafeinada do perito Miguel!






LIVRO: O Próximo Alvo.
AUTOR (A): Marcel Trigueiro.
PÁGINAS: 432.
EDITORA: Produção Independente.
SINOPSE: “Dezenas de pessoas morrem.
Milhares são ameaçadas.
Milhões entram em pânico.
A cidade do Rio de Janeiro já experimentou o clima de terror no final do ano de 2010, com carros e ônibus sendo incendiados durante madrugadas em sequência. Agora, um clima similar instala-se na cidade, mas desta vez os alvos têm nome e sobrenome. Centenas de milhares de pessoas são progressivamente ameaçadas por terroristas que parecem saber todos os detalhes de suas vidas, sendo algumas delas covardemente assassinadas, numa demonstração de que qualquer um pode morrer.
Matheus Erming é o especialista em Computação Forense responsável por investigar os computadores usados pelas vítimas e por descobrir como detalhes de suas rotinas diárias, relações de parentesco e de amizade foram obtidas pelos perpetradores dos ataques. As perícias são o ponto de partida de uma perseguição não apenas cibernética, que envolve também o BOPE e toca nas mais baixas esferas do crime organizado, seguindo em busca da raiz do caos na cidade. No decorrer dessa busca, a segurança da família do próprio Matheus também acaba sendo posta em risco. Quando isso acontece, ele sabe que só tem uma escolha: seguir em frente, a qualquer custo.”

“O Próximo Alvo” conta a peculiar história de uma cidade, Rio de Janeiro, vivendo ataques terroristas cibernéticos. Matheus Erming é um perito especialista em Computação Forense e está sofrendo com isso como se fosse mesmo um carioca.

Milhares de pessoas estão sendo ameaçadas por redes sociais e todas as ameaças cumpridas foram na cidade maravilhosa, e sendo Matheus um trabalhador de lá é convocado para ser um dos ‘chefes’ das investigações.

Aprendendo a lidar com seus próprios sentimentos, com a paixão por uma colega de trabalho, hackers e crackers, com o terror geral que está cada vez mais perto de si e de sua família, Matheus pode acabar descobrindo que o perigo pode estar muito mais próximo do que ele imaginava.

O gênero suspense/policial é um dos meus preferidos do todo o mundo da leitura, mas já havia algum tempo que não pegava um desse estilo para ler. Marcel (o autor) conseguiu reascender a minha paixão pelo gênero com seu primeiro livro.

Apesar de já ter visto algumas pessoas, inclusive o próprio autor, dizerem que o livro possui informações técnicas demais, isso não foi um problema para mim. Gostei de saber de cada passo do que acontecia nessa operação do terror, foi como se eu estivesse aprendendo um pouco da profissão.

O livro – narrado em terceira pessoa e sem a predominância de capítulos voltados a somente um personagem - correu levemente pelos meus olhos, em uma leitura de dois dias, mas com certa lentidão. O que foi propício para mim, para aumentar o suspense e deixar cada coisinha ser revelada na hora certa.

Todos os personagens (e olha que é bastante!) foram inegavelmente bem criados e são donos de personalidades muito cativantes, cada qual a seu modo. Sendo alguns deles: Matheus, Luana, Kutatek, Guilherme, Ricardo... Não vou me alongar, prefiro deixar que vocês os conheçam por si.

Super brasileiro e muito instigante, os cenários criados fazem com nos transportemos para dentro da trama sentindo perigo bem ali, nos fios eriçados na nuca! Como se eu estivesse em um episodio de CSI! (confesso, amo muito 💕)

Tenho que admitir que normalmente descubro quem são os ‘culpados’ antes da revelação do livro, e nesse caso me surpreendi, o que fez com que livro e autor ganhassem mais o meu apreço.

A diagramação do livro é simples, mas fantástica. Capítulos divididos com números apenas, mas uma capa divina. Além de que não encontrei erro algum, seja de digitação ou gramatical.

A sequência da obra, Cela Sem Portas, já foi iniciada por mim e garanto que muitas surpresas vêm pela frente! Recomendo muito.

Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:

“Como uma bolha de sabão que chega ao fim de seus segundos de vida, a certeza que nada de grave lhe aconteceria se desvaneceu.”

“Existem coisas que as pessoas não valorizam até as perderem para sempre, mas existem outras que continuam ali, em perto, mas cuja beleza só se repara quando se presta bastante atenção.”

Ps: De acordo com o autor, não é preciso ler este ‘primeiro’ livro para se ler Cela Sem Portas.




2 comentários:

  1. Oi!tudo bom?
    Adorei a resenha, vou atrás desse livro, e já li Cela Sem Portas e gostei bastante, acredito que você ira gostar tbm.
    Um abraço
    Diarioleitorblog.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Adorei a resenha, e gosto quando os livros possam ser lidos separadamente, pois assim não precisamos seguir uma sequência ou ter aquele pensamento "primeiro preciso de livro x", além de que eu não sou muito fã de continuações hahaha :P

    Um beijo, Carol
    Blog com V.

    ResponderExcluir