sábado, 29 de abril de 2017

RESENHA: O BEIJO DA MORTE (SOB A LUZ DAS GALÁXIAS) - JUDIE CASTILHO.




Quem ai ama as galáxias? Pois bem, hoje trouxe a resenha de um livro que vai virar alvo do seu amor também! 



LIVRO: O Beijo da Morte (Sob A Luz Das Galáxias).
AUTOR (A): Judie Castilho.
PÁGINAS: 340.
EDITORA: Chiado.
SINOPSE: “Uma romântica e perigosa história, vivida sob a luz das galáxias.
Uma jovem audaciosa, disposta a tudo por seu amor...
Um homem poderoso, capaz de matá-la só por amar-lhe...
Um povo cruel, que não tem limites em sua luta pelo poder...
A paz entre os planetas ameaçada, como nunca antes...
E o amor pode se tornar a arma perfeita para uma guerra intergaláctica.
Haysla e sua amiga, Violyt, estão iniciando uma nova fase em suas vidas.
Depois de passarem muitos anos na Terra, enfim chegou o dia pelo qual elas tanto esperaram! Elas estão completando 17 anos e ingressando na Academia Frantila, a escola mais disputada do universo.
Mas as coisas não serão fáceis para elas.
A União Universal e seus 16 planetas aliados acreditam estar cada vez mais unidos e poderosos. Porém, uma grande conspiração intergaláctica está se formando. Seus planetas inimigos não querem mais viver à margem do universo. Eles estão em busca de poder e de um elixir que lhes garanta uma longa vida.
Para complicar ainda mais as coisas, Haysla está vivendo um peculiar triângulo amoroso.
De um lado, um amor leve, divertido, tranquilo. Possível.
Com ele, Haysla tem a chance de uma vida segura e feliz.
De outro lado, um amor ardente, avassalador, compulsivo...
Mas impossível.
E para viver este amor, Haysla não temerá consequências... E pode colocar todos em sérios apuros.”


“O Beijo da Morte” nos apresenta Haysla, uma jovem mestiça (terráquea e ordeana) que está ingressando na Academia Frantila, uma respeitada ‘escola’ para jovens de todos os planetas do universo que são reconhecidos pela UniUni (União Universal).


Ao chegar à escola, ela se depara com um lindo homem de olhos dourados, chamado Benjamin. Mas, ela não espera que esse homem além de ser seu professor, amigo do presidente da UniUni que vem a ser seu pai e ser cobiçado por todas as suas alunas, ele ainda é um klyso. Ou seja, o veneno que carrega em seu corpo pode, instantaneamente, mata-la.


Mesmo brigando com seus sentimentos, Haysla se apaixona perdidamente por Ben. A jovem passa a se odiar por amá-lo e estar namorando Keynel (um jovem fofo que a ama) e não respeitar os protestos de Violyt (sua melhor amiga). Contudo, o que ela não imagina é que esse amor proibido pode trazer muito mais problemas do que um coração partido...


Estou passada! Sim, essa é a expressão que define bem o que senti ao finalizar a leitura. Mesmo que eu tenha demorado bastante para terminar a leitura (provas, mudança...), esse é um daqueles livros que dá para ser lido de supetão. A história pede isso!


A escrita de Judie (autora) é incrível. Com pouquíssimos erros - de digitação -, as palavras seguem todo um padrão magico para que nós, leitores, nunca nos cansemos de estar na companhia das personagens.


O gênero da obra também é maravilhoso, afinal quem nunca se fez aquela pergunta: será que só somos nós no universo? Bom, aqui vemos que não. E detalhe, não são ‘ETs’ feios e verdinhos como imaginamos (ok, alguns são sim!), são lindíssimos de arrancar suspiros e com dons... Ah, de tirar o fôlego!


Com toda certeza eu me teletransportei para a cidade de Ondina em Frantila e vivi todos os momentos com Haysla, desde suas trades com as amigas até o desespero de não poder ser de Ben. Até porque, amar e não poder ser de quem se ama é realmente desesperador, mesmo para uma jovem de outro planeta.


E essa diagramação? Recebi o e-book e já achei divina com seus capítulos nomeados e numerados, imaginem a do livro físico! Essa capa...Ah, linda demais!


Já quero muito os próximos volumes de Sob A Luz Das Galáxias... Preciso saber se esse amor à margem do perigo tem chance de ser salvo ou se viverá sempre À Sombra Do Perigo!

Ps: Shippo muito Violyt e Donank! ❤

Deixo abaixo, para vocês, os trechos escolhidos:


“Isso lhe somou lembranças e... para ele, a vida era feita de lembranças. Benjamin havia vivido de verdade.”


“Talvez  eu  ainda  não  o  ame,  mas  vai  acontecer.  Eu  sinto,  é  um  desastre eminente.  É como  se  eu  estivesse  amarrada  na  linha  do  trem  e  ele  estivesse vindo.  Está  de  noite  e  tem  um  forte  nevoeiro...  eu  posso  ver  seus  faróis,  mas ele  não  pode  me  ver.  Não  adianta  gritar,  o  maquinista  não  vai  me  ouvir  e, mesmo  que  ele  me  ouvisse,  ou  que  me  visse,  não  daria  mais  tempo  para parar.  Ele  passará  por  cima  de  mim,  vai  me  atropelar.  Então...  tudo  o  que  eu posso  fazer  é  fechar  os  olhos  e  esperar  que  não  doa  muito,  que  ele  acabe  logo comigo.”


“- É  uma  joia.  E...  uma  aliança...  – [...] –  Ela  não  tem  começo,  nem  fim.  É  como  eu  me  sinto em  relação  a  você.  Eu  me  confundo  com  você,  Hay,  não  sei  muito bem  onde  você  termina  e  eu  começo.  Seus  desejos,  são  os  meus desejos...  seus  sonhos,  são  os  meus  sonhos...  te  fazer  feliz,  é  o  que mais  me  faz  feliz.”


segunda-feira, 24 de abril de 2017

RESENHA: ENGANAR UM DEUS (C7i - ATO DE FÉ).



Ooi pessoal! Como estão? Estou um pouco atrasada nas resenhas, mas aqui estou com Enganar Um Deus para quem gosta de ficção cientifica!



LIVRO: Enganar Um Deus (C7i – Ato de Fé).
AUTOR (A): Wagner RMS.
PÁGINAS: 133.
EDITORA: Memento Futura e Amazon.
SINOPSE: “As histórias de Código 7 Infinidade (C7i) se passam em um futuro aparentemente utópico, onde a tecnologia elevou o padrão de nossas vidas a um ponto quase paradisíaco. Mas esta nova era de ouro esconde um segredo: a humanidade pode ser extinta a qualquer momento. No primeiro livro: o começo de um motim, onde humanos se rebelam contra uma mente não humana e quase onisciente, e o encontro com o pior inimigo, um jovem com a mais pura e sincera fé.”


“Enganar Um Deus” nos traz em poucas páginas a história de quatro personagens diferentes. O primeiro é Marcus, que tem uma grande bagagem por ter perdido sua família e ter virado fugitivo daqueles que o caçam. O segundo é Borges, um executivo tipão nerd que trabalhou por anos em um projeto que mudaria a vida de todos. O terceiro é Jussara, uma doutora que é chamada de suas férias na lua para ajudar em um problema universal. E o quarto é Milena, uma agente policial em missão.


Todos os quatro estão interligados por emaranhados do universo do século XXIII, onde a viagem à velocidade da luz é o limite. Algo de aterrorizante acontece com eles e toda a Terra. Estamos preparados?


Esse primeiro livro, é realmente isso: o primeiro. O primeiro de uma serie de ficção cientifica e por isso é uma carta de passagem para o mundo da Código 7 Infinidade, nos apresentando a essa nova realidade e aos personagens.


A escrita de Wagner (o autor – e também roteirista da websérie Onda Zero ) é ‘formal informalmente’, deixando a leitura rica sem ser complexa. Por conta disso, nós, leitores, temos aquela sensação gostosa de estar aprendendo novas coisas lendo algo fictício divertido que é sempre boa.


O gênero do livro é fantástico, sendo ele uma ficção cientifica com visitas de outros planetas, tecnologia a mil, robôs como amigos (ou não), drogas virtuais, armas incrivelmente certeira e um mundo totalmente diferente dos dias atuais.


Recebi do autor tanto livro físico poket quanto e-book então comentarei sobre a diagramação de ambos: o livro físico possui uma introdução escrita por Fabio de Almeida Farzat (Sócio Gestor e Diretor Técnico da empresa Vital Business) na qual nos é apresentado um pouco do que encontraremos no decorrer da leitura. Temos também um sumário, uma pequena ilustração do cenário universal, um trecho sobre o autor, notas de roda pé explicativas ao fim e divisão de capítulos por personagens + duas cenas finais.


Já no e-book não temos a introdução e nem sumário no começo e sim no final da obra, o livro é iniciado logo no capítulo de Marcus e seguido com a mesma divisão capitular do livro físico, só que as notas explicativas são ao final de cada um deles e não no fim de todo o livro. Há também uma diferença reativa no número de paginas, pois em e-book temos apenas 46 páginas.


Para finalizar, posso dizer que me surpreendi com o final que me instigou muito! Já quero o restante da série. Que venha Ponto Sem Retorno para que eu possa saber o que acontecerá à humanidade! Recomendo muito!


Deixo abaixo, para vocês, a seleção de trechos:


"[...] Mas ignorar os fatos não os transformam em inverdades [...].”



quarta-feira, 19 de abril de 2017

RESENHA: SEM SOMBRA - UIARA MELO.



Boa tarde pessoal! Aqui está, como prometido, a resenha de outra obra da autora Uiara Melo!



LIVRO: Sem Sombra.
AUTOR (A): Uiara Melo.
PÁGINAS: 206.
EDITORA: Produção Independente.
SINOPSE: “Por que o amor acontece nos momentos mais improváveis da vida? Muitos tentarão responder, mas nunca teremos uma resposta à altura do significado da palavra AMOR. E foi assim que tudo começou na morte e vida de Fernanda e Rafael. Ambos de realidades tão diferentes, porém unidos sem nenhum motivo até então. Fernanda e Rafael nasceram e viveram ou tentaram viver na pacata cidade de Crostford. Ele filho único de uma família consideravelmente rica, e ela filha única de uma família comum. Entretanto o destino os uniu, durante um acidente de carro que mudaria completamente a vida Fernanda. Ela implorou por sua ajuda... E ele escolheu por ela, mantendo-a viva. Poderia Fernanda após as mudanças que viriam, ensinar a um homem sem coração a amar novamente?”


“Sem Sombra” conta ao leitor a estória de Fernanda, uma jovem apaixonada pela vida que após um acidente, vê sua vida mudar. Ela é salva por Rafael, um vampiro, que a transforma e por conta disso ela tem que deixar sua família.


Em sua nova vida com vampiros, lobisomens, mestiços e morte, Fernanda encontrará também uma nova paixão que traz uma dor do passado. Será essa nova vida tão fascinando quanto nos livro que ela leu quando jovem?


Iniciei o livro com uma grande expectativa, por ter gostado bastante de outra obra que li da autora, mas infelizmente o livro não atendeu a ela. Nos primeiros capítulos a trama estava muito envolvente com a protagonista se descobrindo em sua nova vida, mas em determinado momento o romance roubou toda a cena e, para mim, a estória acabou se perdendo.


Não me leve a mal, eu gosto sim de obras românticas com um fundo sobrenatural, mas “Sem Sombra” não me cativou tanto quanto Zafhira (outra obra da autora). Entendo que talvez o foco de Uiara (autora) tenha sido a relação de Fernanda e Rafael e por isso o romance ficou evidenciado, mas por ter todos esses personagens míticos, esperava mais e o final acabou me decepcionando.


Alguns pontos que contribuíram para essa pequena decepção foram algumas pontas soltas no livro, tais como: o que realmente Metrius (mestiço vilão) fez com Larissa (antiga paixão de Rafael), e que tipo de ser ela era? Por que Baltazar (servo e amigo de Rafael) deve servir ao povo mítico? Quais eram os sentimentos verdadeiros de Israel (lobisomem amigo) por Fernanda e os dela por ele? Além dessas questões, a protagonista muitas vezes me pareceu um tanto metida e convencida, contudo, outras vezes era uma verdadeira ‘mocinha’.


A diagramação do livro também deixou um pouco a desejar, já que era preciso uma grande revisão, pois há muitos erros, tantos de digitação quanto gramaticais. O que ‘salvou’ foi a divisão de capítulos numerada e os pequenos detalhes de repartição de narrativa, que foram bem feitos.


Enfim, eu precisava de alguma coisa na estória e não a obtive. Espero ler novas obras da autora, mas também que estas ressaltem a emoção que senti com sua primeira obra.


Deixo abaixo, para vocês, os trechos escolhidos:


Quando se tem algo na mão, não se deve ignorá-lo porque se assim o fizer, amanhã pode ser tarde...”



“― A morte ela já tem. Agora a vida, é uma incógnita.”



segunda-feira, 17 de abril de 2017

RESENHA: ZAFHIRA - UIARA MELO.




Quem gosta de livros de amor intenso? Pois bem, hoje trouxe a resenha de um! 💕




LIVRO: Zafhira.
AUTOR (A): Uiara Melo.
PÁGINAS: 181.
EDITORA: Produção Independente.
SINOPSE: “Dizem por aí que banalizaram o Amor, que ficou tão simples que se perdeu. Porém, diante da monotonia do dia-a-dia, a jovem e esperançosa Júlia Welask encontra esse amor banalizado e faz dele a sua rotina e o seu destino ao lado de Otávio Rodrigues.
Otávio, por sua vez, tem a chance de ser feliz com Júlia, mesmo depois de Zafhira e da descoberta da E.L.A.
Será esse amor o responsável por fazer a diferença nesses caminhos tão tortuosos e incomuns? Eles perderão a batalha, mas não perderão a guerra.”


“Zafhira” discorre sobre a estória de Julia, que em um dia normal encontrou, conheceu e ficou sabendo sobre a história de Zafhira, que depois de alguns dias sumiu. Julia foi atrás do noivo da moça misteriosa para saber mais, pois ela havia lhe pedido que escrevesse sua história, e descobriu que ela estava morta. O mais estranho, no entanto, foi se apaixonar e ser correspondia por Otávio, o noivo de Zafhira.


A paixão forte que sentem um pelo outro é abençoada pelas aparições inexplicáveis de Zafhira. Contudo, toda essa felicidade é atrapalhada por uma doença invencível que acomete Otávio. Será esse amor tão forte a ponto de ultrapassar essa doença e todo o sofrimento?


Quando comecei a ler o livro, achei os acontecimentos muito rápidos e acabei pensando: “nossa, mas a escritora devia ter colocado um que a mais...”. Porém, com o virar das páginas, a estória acabou ficando mais densa e me envolvi tanto que terminei no mesmo dia.


Fui me apaixonando pelas personagens a cada capítulo, e isso me agradou bastante. O fato de ser curtinho me pegou desprevenida. Em um determinado momento, a emoção foi tão grande com as cenas que não liguei para a quantidade de páginas e fiquei assustada quando terminou.


Lembro-me que Uiara (a autora) pediu que mantivesse minha mente aberta durante a leitura e agora entendo o motivo. A obra fala bastante sobre espiritismo, já que uma das personagens principais ainda habita esse plano mesmo estando morta. Para mim não foi um problema na leitura, até gostei, mas se você não está acostumado a esses assuntos, sim, deixe sua mente aberta!


Além do espiritismo, o livro aborda temas muito interessantes como o emocional de uma pessoa com uma doença maligna como a Esclerose Lateral Amiotrófica (E.L.A.) e as pessoas ao seu redor, o amor transcendendo barreiras e a amizade.


Enfim, o livro me encantou. Além de todos os pontos já citados, me apaixonei pela capa e pelo fato de ter pequenos corações nas divisões de capítulos nomeados.


Se eu indico? Sim! A próxima resenha também será de um livro da Uiara, e já adianto que a coisa está boa....!


Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:


“A madrugada foi longa e assustadora, como u não aguentava mais chorar, o céu chorava por mim.”


"Toda vez que eu olhava para ele, tentava guardar qualquer lembrança dentro da minha mente, do meu ser, da minha alma.”

sábado, 15 de abril de 2017

RESENHA: O SEGREDO DOS ELFOS - PAULA PAGLIARINI.




Qual é a cor dos seus olhos? O que ela faz de você? Leia esse livro para descobrir!




LIVRO: O Segredo dos Elfos.
AUTOR (A): Paula Pagliarini.
PÁGINAS: 263.
EDITORA: Novo Século.
SINOPSE: “A cor de seus olhos define quem você é, suas habilidades, o seu destino.

Antes de ser incorporada em uma das frotas do reino de Alfheim, Anabel, uma jovem guerreira elfo, precisa passar por um teste e, ao fim deste, um portal mágico se abre, revelando uma maldição e uma espada lendária há muito tempo perdida. Com a guerra iminente contra os trolls, Anabel parte para o reino de Quimera, o reino dos homens. A guerreira precisa lidar com o ódio do rei de Alfheim e com o amor do príncipe. No entanto, tudo muda quando ela conhece um belo elfo com os cabelos cortados e olhos profundamente azuis-marinhos e a história da espada é desvendada, assim como a origem de Anabel, até então desconhecida. Perante a guerra, um novo vilão é revelado, alguém que faria qualquer coisa para mudar o destino de Anabel. A habilidosa guerreira precisa escolher entre a vida que conhece e a vida que poderia ter se decidisse ficar com o incrível elfo de olhos azuis.”


“O Segredo dos Elfos” nos traz a estória de Anabel, uma jovem elfa bastarda, que nasceu da traição de uma rainha (a segunda esposa do rei), e foi deixada pelo rei à porta de Ramiel e Theiliel. Por conta disso, Anabel tenta sempre se destacar nos treinamentos de guerreira para tentar chamar a atenção de seus pais biológicos, mesmo sem saber quem são. Sim, a cor verde de seus olhos a define como uma guerreira perante a sociedade dos elfos do Norte.


Com sua garra, a elfa consegue se destacar bravamente, se tornando portadora de uma espada lendária muito poderosa, e entrar para a melhor tropa de guerreiros: A Tropa da Fênix. Contudo, ela se envolve com um dos filhos do rei (gerado de sua primeira esposa) e o rei faz de tudo para mantê-los separados.


Em uma dessas tentativas, ele manda Anabel para uma aliança com os homens que estão em guerra com os trolls. Nessa viagem, Anabel conhece Gabriel – o rei dos elfos do sul e grande inimigo de se povo e que possui o par de sua espada – e ambos se apaixonam. O que a pequena elfa não sabe é que essa paixão poderá trazer muita morte e traição para sua vida. O pior, é que esse sofrimento vem de quem ela menos espera...


Iniciei a leitura com grandes expectativas, e a obra supriu todas elas. Paula (a autora) escreve com uma grande riqueza de detalhes e coloca muito sentimento em suas personagens, sejam eles elfos, homens, animais ou trolls.


Identifiquei-me bastante com Anabel, não sei se por termos olhos verdes, querer sempre o certo ou o grande amor por chá. Eita personagem que gosta de um chá, hein?!


Após sua viagem para ajudar os homens na guerra, a personagem cresceu bastante na trama, revendo o que sabia sobre liberdade e amor. E isso foi um maravilhoso desenrolar, que ganhou muitos pontos comigo.


O livro é leve, porém instigante. Tem muitas cenas de pura paixão, como também me trouxe certa tristeza em alguns momentos pela perda de... Bom, para saber, vocês terão de ler!


A diagramação é toda linda, com divisão em capítulos numerados que contam com pequenos detalhes que dão um chame a mais. A capa com essa cor e os detalhes da floresta e da espada é maravilhosamente condizente com toda a estória.


Achei o final espetacular e quero muitoooooo saber o que virá em seguida na vida de Anabel e todos a sua volta. Até porque, os elfos vivem por longos e logos anos... Indico muito!


Deixo abaixo, para vocês, a minha escolha de trechos:


“Os amigos são aqueles lindos seres que escolhemos para ficar ao nosso lado e compartilhar nossas vidas.”


"-Você nasceu para ser o que quiser ser."


“- O chá é uma maneira de unir as pessoas para conversar, além de ser delicioso.”


"Sempre me perguntei como os seres se tornavam traidores, se era por desejo de poder, vingança, ódio, honra, ou rancor, ou se simplesmente eles se cansavam de obedecer ordens e seguiam o próprio caminho. Naquele momento, entendi que era um pouco de cada, variava de traidor para traidor. No meu caso, era vingança, era cansaço, era revolta."

segunda-feira, 10 de abril de 2017

RESENHA: O CORVO NEGRO (TRILOGIA DAS PLUMAS) - LUCAS DE LUCCA.



Quem aí ama uma fantasia? Hoje tem resenha de uma maravilhosa! 💕



LIVRO: O Corvo Negro (Trilogia das Plumas).
AUTOR (A): Lucas de Lucca.
PÁGINAS: 363.
EDITORA: Produção Independente.
SINOPSE: “Ukel mora na capital do reino de Gor em um mundo fantástico repleto de magia e armas mundanas em duelo, mas ele é apenas uma criança. Após as guerras arcanas, a cidade onde vive recebe refugiados do norte e a vida do garoto muda ao conhecer Merienir, uma elfa de cabelos prateados refugiada, e Farem, um órfão de Gor.
O Corvo Negro mostra a escalada de Ukel no mundo do crime até se tornar um corvo, um caçador de monstros e malfeitores.
Traição, sangue e malícia guiam o caminho do jovem em uma trilogia empolgante onde o protagonista não passa de um egoísta sem redenção.”



“O Corvo Negro” se inicia com a estória de um jovem e solitário menino chamado Ukel. O garoto vive com sua mãe e seu passatempo é ficar pelas bibliotecas da cidade, até que em um dia qualquer com a chegada de forasteiros ele conhece Farem e ambos se juntam para salvar uma garotinha elfa chamada Merienir.


Depois de alguns anos, os três, agora amigos e companheiros de roubo, veem suas vidas mudando quando começam a trabalhar para o rei. Dentre esses trabalhos, Ukel – que já não é mais um garotinho e sim um homem frio e calculista – sofre uma traição e decide se vingar.


Com essa vingança, ele e seu mais novo companheiro Leirum, se mudam de Gor para Curi para trabalhar como Corvos. Ukel agora enfrenta aventuras e desafios e nem ele mesmo sabe se sairá vivo dessa e quem levará consigo... Ou será que sabe?


Quando esse livro chegou para minha leitura fiquei apaixonada por todos os detalhes da capa e não me aguentei e acabei lendo a sinopse. Lembro-me de ter pensado: “opa, esse é o meu tipo de livro!”. E realmente é!


Lucas (o autor) nos trouxe uma fantasia muito bem articulada que, salvo alguns erros gramaticais, chega a ser incrível. É daquele que todo leitor ama: prende a atenção do início ao fim, sempre desafiando a imaginação a ir mais longe.


Seus personagens têm características claras, mas se você acabou perdendo alguma, não se apoquente! Vá até as ultimas paginas e leia a parte dedicada aos personagens. O livro possuir essa estrutura foi um ponto muito a favor para mim, que sou um pouco (mas só um pouquinho, tá?) esquecida.


Quanto a Ukel... Ah, Ukel... Apesar de o nosso personagem principal ser bem ‘das trevas’ e adorar uma boa luta de espadas, não consigo não gostar dele. Afinal, quase sempre os livros são permeados por ‘mocinhos’ e gostei de ler um em que o mocinho não é tão mocinho assim!


Com um fundo de guerras e reinados (sendo em alguns momentos muito atual), divertido e provocante, a estória do jovem Corvo Negro é indicada por mim a todos! Já quero muito o segundo volume. Pois é cupackes, quem se aventurar nessa jornada ficar é com um gostinho de quero mais!


Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:


“As estações tem um tempo praticamente exato para começarem e terminarem, diferente da vida e da morte que está fadada a dúvida.”


“[...] O tempo não é seu inimigo e sim uma ferramenta, e como qualquer ferramenta quem a controla é quem a está empunhando e o único e verdadeiro inimigo que existe é a carne.”


"- Tirando a morte, nenhum sono é pesado o suficiente para não ser acordado.”


“- O medo é um sentimento poderoso... [...]”

sexta-feira, 7 de abril de 2017

RESENHA: E SE O DESTINO SOPRAR - CLAUDIA HACKBART.




Boa tarde meus queridos! Hoje estou trazendo resenha de um livro perfeito para aqueles que adoram aquela teoria do destino, coincidências e acaso. Espero que gostem!





LIVRO: E Se O Destino Soprar.
AUTOR: Claudia Hackbart.
PÁGINAS: 443.
EDITORA: Novo Século.
SINOPSE: “Quem nunca refletiu 'e se?'. Quem nunca sentiu o destino soprar, sentirá. Baseado na história de vida de Lovinha, E se o destino soprar é um relato das experiências da autora sobre Destino, Acaso e Coincidências. Ela precisou aprender a lidar com os obstáculos da vida, mas, ao invés de se colocar no papel de vítima, preferiu tornar-se heroína em sua própria história.
Por meio de percalços e dramas familiares, sua vida toma rumos surpreendentes e, muitas vezes, inexplicáveis. Por outro lado, se depara com o poder das relações de família, de amizade, e da sua história com o 'Encantado': um amor feito ímã, que, às vezes, sucumbe ao Acaso. Seria esse amor capaz de superar o tempo e driblar o Acaso? Emocionante e comovente, esta é uma trama que nos leva a acreditar numa força maior, capaz de abrir ou de fechar portas.”



“E Se O Destino Soprar” nos traz a história de vida da própria autora. Ou seria da princesa Lovinha? Ambas se intercalam na obra e nos apresentam seu príncipe Encantado, Leonardo.


Entre encontros e desencontros de amor provocados pelo destino (ou seriam simples coincidências?), Claudia tem seu coração quebrado e colado pelo mesmo homem.


Mas, quem disse que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar estava muito errado, pois coisas ruins sempre acontecem com Lovinha (apelido que Claudia ganhou do pai quando era criança) e com as pessoas a sua volta. Será que seu amor terá resultado algum dia? E seus problemas familiares, terão fim? E Se?


Como é de meu costume, não li a sinopse, pois gosto de me surpreender – mesmo correndo risco ao fazer isso -. Realmente me surpreendi ao encontrar a historia da própria autora estampada nas páginas.


A jovem Lovinha, que se transforma na mulher Claudia, tem uma vida bastante conturbada, principalmente em seu relacionamento com Leonardo. Eita, amor persistente, viu?! Eu também mantenho um relacionamento à distância e sei como é difícil. Se deu certo para Claudia ou se dará para mim? Para a primeira questão, leia o livro. Para a segunda... Bom, eu espero que sim, mas só o destino poderá me dizer, ou melhor, me ‘soprar’!


Além de seus relacionamentos (amorosos ou familiares), a autora escreve sobre o poder que tem essas duas e simples palavrinhas: e se...? É certo que elas podem não significar nada para alguns, mas para outros, são capazes de destruir dias ou até mesmo a vida.


A escrita da autora é super fluida, como se nós, leitores, fossemos amigos que ela não encontrava há muito tempo e que deseja contar o que aconteceu a sua vida. Senti-me especial com esse ‘carinho’ durante a leitura.


A diagramação é muito bela, trazendo consigo em cada início de capítulo (numerados), um dente-de-leão ao sopro do destino e citações de famosos, de pessoas do convívio da autora e até mesmo do Papa.


Do Papa sim, pois além de ser um livro que fala muito sobre o destino, o acaso e coincidências, fala também de como Deus surgiu na vida de Claudia e tudo no qual ela sentiu não somente o sopro do destino, mas d’Ele também.


Enfim, é claro que amei a leitura e recomendo a todos que gostam de uma leitura mais reflexiva com toques (bem grandes) de romance e realidade. Gostaria bastante de ler uma nova obra da autora, que tal um dedicado a sua amiga Dai e a história de Pedro e Clara, hein princesa Lovinha?


Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:


“Quem acha que o tempo é o melhor remédio é porque não conhece o efeito de um abraço verdadeiro [...]”


“- Somos feitos para enxergar as coincidências, porque senão descobriríamos o mistério da vida, e perderia a graça. [...]”


“O amor é maquiado, mas anestésico: suntuoso, mas comezinho: forte, mas frágil. Ora nos enche o coração de alegria, ora nos aflige. [...]”

segunda-feira, 3 de abril de 2017

RESENHA: MARIA DO SOL - ALICE RAPOSO.



Olá pessoal! Como você estão? Hoje trouxe uma resenha bem fofinha para vocês! Espero que gostem 💕




LIVRO: Maria do Sol.
AUTOR: Alice Raposo
PÁGINAS: 127.
EDITORA: Fundação Quixote.
SINOPSE: “ ‘Um crime, uma culpa, um fantasma...’
Todo livro tem sua história, algo que foi o propulsor para sua criação. Maria do Sol surgiu de uma madrugada que trouxe um sonho. Durante o dia se materializou em um conto. Dois anos após, voltei-me para ela e a concluí.
Pedrinho e Maria do Sol irão nos levar por um caminho sem volta. É claro! Pois todo percurso que se segue não há como retroceder em suas consequências. Por isso, agir sem pensar não é um meio a se seguir. Seremos morada das consequências de nossos atos.
Portanto, é tão importante analisar cada passo que será dado, não matematicamente como num jogo, pois a existência se tornaria fria e sem vida, mas com verdade, diálogo e sinceridade no agir.”


“Maria do Sol” se inicia com a estória de Dona Carlota e Seu Felinto, que são pais de Vicentinho. Este se casou com Sofia e, juntos, deram a luz a Pedro. Pedrinho é uma criança triste e solitária que vê sua pequena vida mudar quando, em uma festa de aniversario de sua avó, conhece Maria do Sol.


Logo os dois jovens ficam amigos, mas por não ser rodeado deles, Pedrinho fica muito enciumado quando vê a nova amiga se relacionando com outras crianças. Sem pensar, ele toma a atitude de empurrá-la, seu erro fatal.


O jovem Pedrinho cresce assombrado pelo fantasma da menininha e sem se relacionar, para não machucar mais ninguém. Contudo, em um belo dia, a vida de Pedrinho pode mudar novamente por conta de uma simples parada de ônibus...


Belo e encantador são palavras que definem bem esse livro. A leitura simples traz mensagens maravilhosas sobre as consequências de atos impensados e sobre o quão grande é o poder de uma conversa.


Admito, realmente, que imaginava algo totalmente diferente no interior dessas poucas páginas, mas me surpreendi lindamente com a escrita de Alice (a autora). Reflexivo e ao mesmo tempo muito leve, pode ser facilmente lido em poucas horas, como foi meu caso.


Mesmo não gostando muito de livros com ilustrações (fazer o que, não faz meu estilo!), as que estão presentes no livro são adoráveis e só tornaram a leitura mais envolvente ainda, se é que é possível.


Já que falei de ilustrações, vou dar uma palavrinha sobre a diagramação: incrível. Com orelhas, divisão em capítulos, sumário e uma capa muito fofa, o único ‘defeito’ é já ter terminado. Com toda a certeza digo que esse final deixou um gosto gigante de quero mais!


Finalizando, a obra é maravilhosa e singela, mas contém em suas palavras um tema espetacular, coisas que todos nós temos dentro de nós em algum momento de nossas vidas: a culpa e o medo de machucar. Recomendo muitíssimo!


Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:


“[...] o passado é um abismo que se abre e não temos como voltar atrás, não é verdade?”


“A vida tem a mania de tirar quem amamos sem nos avisar.”


“[...] Amar a gente só ama de verdade uma vez.”


“Pedrinho, na vida quando algo acaba, dá a oportunidade de algo melhor começar.”

sábado, 1 de abril de 2017

RESENHA: O CORTIÇO - ALUÍSIO DE AZEVEDO.



Chegou mais uma resenha de um livro da queridinha do blog Editora Vozes! Espero que gostem de montão!




LIVRO: O Cortiço.
AUTOR: Aluísio de Azevedo.
PÁGINAS: 346.
EDITORA: Vozes.
SINOPSE: “Quando foi publicado, em 1890, O Cortiço consagrou para sempre o nome de Aluísio Azevedo como o principal representante do nosso Naturalismo literário. Este romance narra o nascimento, vida e morte de um cortiço, isto é, a pobre estalagem é a protagonista da sua própria história, numa emblemática metalinguagem representativa marcada pela vivacidade e pela tensão das relações humanas ali travadas.”



A obra “O Cortiço” traz ao leitor a incrível história de um cortiço, criado por João Romão, um homem que foi crescendo na vida juntamente com sua ambição. No cortiço habitam muitas pessoas com diferenças e igualdades entre si, e o pátio desse lugar é palco de muita musica, brigas e amores.


Iniciei a leitura já sabendo o estilo do autor (é minha segunda leitura dele, sendo a prima O Coruja), mas confesso que me surpreendi com tantas características naturalistas e tamanha riqueza de detalhes.


O livro trata de muitos temas intensos, sendo um deles o sexo, que mesmo hoje ainda é um certo tabu, e com uma visão somente sua o autor, em muitos momentos, chega até a animalizar os personagens.


Sendo claramente um dos melhores exemplos de literatura clássica, a escrita é bem rebuscada e com muitos jargões usados no século 19 (que é quando a história se passa) que para muitos seria de difícil compreensão, mas a edição da Vozes nos traz notas de rodapé bem explicativas.


É límpido como um dia claro a critica social que se entranha no livro e todos os acontecimentos que mesmo tendo sido escritos há anos, ainda conseguem ser surpreendentemente atuais.


Uma das únicas coisas que me incomodou no livro, foi o fato de ser tão curto, pois o cortiço em si abre muitas possibilidades de estórias dentre os personagens, e eu ficaria muito contente em poder ler todas elas.


A trama é de uma leitura complexa, mas genial. Sugiro a todos que leiam, mesmo aqueles que ficam com um pé atrás por ser uma obra desse gênero. Desconstruam seus preconceitos e construam uma morada n’O Cortiço!


Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:


“Porque, só depois que o sol lhe abençoou o ventre; depois que nas suas entranhas ela sentiu o primeiro grito de sangue de mulher, teve os olhos para essas violentas misérias dolorosas, a que os poetas davam o bonito nome de amor.”