quinta-feira, 29 de junho de 2017

RESENHA: DE REPENTE APAIXONADO (DESCOBRINDO) - MANU TORRES.



Cupcakes lindos, como estão? Hoje trouxe uma resenha sensual para vocês. Confere!



LIVRO: De Repente Apaixonado (Descobrindo).
AUTOR (A): Manu Torres.                        
PÁGINAS: 312.
EDITORA: Produção Independente.
SINOPSE: O que você faria se o inesperado acontecesse?
Alice Marie Ventura Schneider é a nova fisioterapeuta da Clínica Estevão Alencar. Uma mulher belíssima, determinada e totalmente desastrada. Filha de um relacionamento extraconjugal. Ela não aceita ser dependente de homem algum. Tudo o que ela mais queria era se dedicar à sua profissão, curtir a vida e se divertir com seus amigos. Em uma noite de balada, Alice se encanta por um loiro convencido, porém muito apetitoso. Mas o que ela não esperava, era que ele seria um sedutor médico e com fama de cafajeste. Aquele tipo que tinha decidido manter distância.
Igor Salazar é um jovem ginecologista responsável e dedicado ao seu trabalho. É extrovertido e extremamente fiel aos amigos. Um homem irresistível e sensual, armas que usa ao seu favor quando o assunto é conquistar uma mulher. Mulherengo convicto, causador de vários corações partidos, foge de um relacionamento sério como o diabo foge da cruz. Tudo o que ele menos queria era se prender a alguém. Em uma noitada Igor conhece uma loira sexy e selvagem que desaparece sem nem lhe falar o nome. O que para ele parecia ser apenas mais uma noite de sexo fácil, acabou se tornando a descoberta de um novo sentimento.
O que eles não contavam era que este encontro ao acaso poderia mudar suas vidas.
Está pronta para ser levada do céu ao inferno?
Às vezes o amor pode chegar quando menos se espera...”



“De Repente Apaixonado” é o segundo volume da série descobrindo, na qual o primeiro é Me Descobrindo Mulher (resenha). Na primeira obra um personagem – Igor - ganhou destaque e por isso é um dos personagens principais desse segundo.


Igor Salazar é um garanhão, o típico homem que ‘não se apaixona’. Alice Schneider é linda e não quer depender de homem nenhum, mas busca algo sério e não só mais uma noite.  Mas, o amor tem manias estranhas e acabou por juntar Igor e Alice em uma boate.  


Estando os dois na mesma festa por motivos completamente diferentes, eles se encontram e tem uma noite inesquecível, ali mesmo na boate. Para evitar constrangimentos e percebendo o tipo de Igor, Alice sai de lá praticamente fugida.


Contudo, o que ambos não esperam é que irão dividir o mesmo local de trabalho, a Clínica Estevão Alencar. Esse fato somado ao desejo que sentem torna impossível ficar longe um do outro. Será Alice a mulher que arrebatará o coração de Igor? E os percalços pelos quais passarão, servirão para separar o casal? Só lendo para descobrir!


Manu (autora) trouxe com essa obra uma suspeita: será que a Clínica Estevão Alencar é amorosamente mágica? Sendo ela palco de relações tão sensualmente arrebatadoras como de Isa e Leo (primeiro livro) e agora de Igor e Alice, eu não duvido nada!


Mesmo que “De Repente Apaixonado” seja a continuação de uma série, não é dependente do primeiro livro. Claro, muitos dos personagens citados no primeiro reaparecem aqui – matei a saudade -, mas novos também surgem e são histórias um tanto diferentes. Se você, leitor (a), não é muito fã de séries, sagas ou trilogia e por isso ainda não conhece Descobrindo, esquece! Pode vir que as histórias são demais.


Recebi em parceria o e-book do livro (ainda não possui mídia física) e assim como o primeiro que é em papel tem uma diagramação lindíssima. Vem com capítulos numerados e nomeados além de pequenos detalhes muito fofos.  Não encontrei erro algum durante a leitura, o que é ótimo.


Bem, a leitura é sensacional e já quero muito o próximo volume. Espero que seja sobre um dos novos personagens, quero conhecê-los melhor! Recomendo!


Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:


“O amor chegaria para ela. Chega para todos, afinal. Chegaria para mim também. Eu só pedia a Deus que fossemos correspondidas. E não machucadas pelo caminho quando realmente encontrássemos o amor verdadeiro.”


“A vida às vezes nos dá uma rasteira para mostrar que não somos invencíveis. E, quando isso acontece, mexe direto no seu alicerce, no seu ponto fraco, fragilizando a sua base completamente.”



“— Por mais que as pessoas que amamos nos magoem, sempre tendemos a perdoar. Faz parte da vida.”

terça-feira, 27 de junho de 2017

RESENHA: O TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA - LIMA BARRETO.



Heeey pessoal! Mais uma resenha de um livro da nossa parceira Editora Vozes. Espero que gostem!





LIVRO: O Triste Fim de Policarpo Quaresma.
AUTOR (A): Lima Barreto. 
PÁGINAS: 303.
EDITORA: Vozes.
SINOPSE: “O triste fim de Policarpo Quaresma foi escrito por Lima Barreto, considerado um dos maiores escritores brasileiros de todos os tempos. Ao criar o Major Quaresma, Lima Barreto dá vida a um personagem de grande riqueza e performance na Literatura Brasileira, já que o mesmo se expressa e explora as mais diversas opiniões e ideologias através do seu jeito simples, da sua inocência e da sua firme crença no Brasil e nas maravilhas da nossa realidade nacional. Aliás, patriotismo e nacionalismo são palavras-chave para se compreender este romance.”



A obra O Triste Fim de Policarpo Quaresma” apresenta o ‘major’ Quaresma. Um senhor que é inteiramente brasileiro, regionalista e acha que muitos dos costumes de nosso país não são valorizados. Por conta disso, ele adota costumes no mínimo estranhos para os parâmetros da época.


Quaresma lê muito, tem aulas de violão, estuda o tupi (língua dos índios nativos) e fala das terras brasileiras com ardor. Em um ímpeto, ele escreve para as autoridades querendo que troquem a língua portuguesa pelo tupi.


Esse pedido o transforma em chacota de toda a população, e até em um manicômio ele vai parar. Com essas e outras atitudes, Quaresma vai levando a vida tentando sempre voltar às origens brasileiras. Mas, será que conseguirá?


Lima Barreto é um escritor da época do Pré-Modernismo, então muitas das características desse período – como linguagem coloquial, valorização da cultura, visão irônica da vida, etc - estão extremamente presentes na obra.


A escrita, como já dito, é feita com uma linguagem mais coloquial, cheia de gírias da época (na maioria africanas e indígenas), e incluindo também uma grande mescla linguística com termos em italiano e francês.


Nesses momentos de ‘salada’ linguística é que a Editora Vozes entra com tudo. As notas de roda pé na obra são de grande ajuda na leitura e as folhas cinza do fim dão uma ótima assistência para quem quiser saber um pouco mais do contexto daquela época.


Uma leitura encantadoramente intrigante, em muitos momentos engraçada e com o fim um tanto triste. Mostra o que muitos sorem por ser diferentes dos demais, por não serem alienados e querer outras coisas.


Indico muito a obra. E a você, caro cidadão, que lerá por conta dos estudos: vai na fé que o livro é demais!


Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:


"- É bom pensar, sonhar consola.
- Consola, talvez; mas faz-nos também diferentes dos outros, cava abismos entre os homens...".


“Não é só a morte que nivela; a loucura, o crime e a moléstia passam também a sua rasoura pelas distinções que inventamos.”



“De todas as coisas tristes de ver, no mundo, a mais triste é a loucura; é a mais depressora e pungente.”

sábado, 24 de junho de 2017

RESENHA: MARIA GRALHA E ZÉ PINHÃO EM BUSCA DO PEIXE DE SETE CORES - AUDREY FARAH.



Boa noite meus amores! Como estão? hoje tem mais resenha para resgatar a criança dentro de vocês. Confiram!





LIVRO: Maria Gralha e Zé Pinhão em Busca do Peixe de Sete Cores.
AUTOR (A): Audrey Farah.
PÁGINAS: 34.
EDITORA: Arte.
SINOPSE: “As cigarras faziam coro, animando a marcha da piazada até o Rio das Pedras. Da casa da avó de Maria Gralha até o lugar onde a Carpa Grande costumava aparecer era cerca de uma légua rio abaixo. (...)
O lobo ia à frente, ao lado da menina, seguida de Zé Pinhão, Quati, Canário, da cobra Genoveva e da Perereca, que tagarelava o tempo todo, comentando cada estalido de graveto, cada rumor de bicho ao longe e cada silhueta que se insinuava à passagem (seria assombração?... seria jaguatirica?).”



O livreto “Maria Gralha e Zé Pinhão em Busca do Peixe de Sete Cores” traz uma estória bem divertida da turminha de Maria Gralha e seus amigos Zé Pinhão, Guará (um lobo), Quati, Canário, Genoveva (uma cobra) e Perereca.


Todos eles, a pedido de Maria Gralha e após uma história contada pela avó da menina, resolvem ir procurar a Carpa Grande. Carpa Grande é um gigantesco e muito poderoso peixe colorido que pode os ajudar a salvar a mata em que vivem, pois ela está doente com o desmatamento. Será que eles conseguirão?


Com uma linguagem bastante regional da mata e extremamente fácil (afinal é um livro infantil), Audrey – a autora e também diretora da parceira Arte – criou uma linda aventura protagonizada por crianças e animais, mas que deveriam ser também por adultos... Aliás, por todos nós hoje.


Sim, por todos nós, pois o mesmo problema enfrentado por eles na trama (a mata doente), nós enfrentamos também e muita gente nem se importa e acha que “ganha” com isso. Lamentável.


Todas as páginas do livro são fofíssimas, com muitas ilustrações, feitas por Luiz Rettamozo e Mateus Rettamozo, que são bastante interativas por serem 3D (o livro vem acompanhado de um óculos!). Perfeito para as crianças!


Possuidora de uma linda e singela mensagem diretamente para as crianças que são o futuro do planeta, a obra é incrível. Estou apaixonada e indico muito!


Aqui a opinião de minha irmã de 12 anos que também leu o livro: “Eu achei interessante o sotaque diferente e também o fato de ter desenhos 3D, pois foi o primeiro livro que li assim. Gostei muito do tema.”


Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:


“- E para que a vida por aqui continue... precisa de uma coisa só. [...] ... Sabem o que é? ... É a força do Amor!” 

quinta-feira, 22 de junho de 2017

RESENHA: JULIETA SE SENTIA ESTRANHA - SARAH TRENTINI.



Boooa noite pessoal! Hoje eu trouxe resenha de um livro infanto-juvenil em parceria com a mais nova parceira Arte Editora! 





LIVRO: Julieta Se Sentia Estranha.
AUTOR (A): Sarah Trentini.
EDITORA: Arte.
PÁGINAS: 20.
SINOPSE: “... uma vez menina,
‘E quando as meninas se juntavam , logo as reclamações começavam: Eu queria ter pernas mais curtas, falava Julieta. E eu a pele mais lisa como de uma modelo de revista, falava outra. Queria ter seios menores. E eu maiores – debatiam duas delas. E eu queria ter o corpo da Angelina, a atriz.’
... outra vez mulher.
‘E assim  Julieta deixou a meninice para trás e na vida adulta ingressou, e o tempo passou e dos Romeus ela se cansou. Agora o que queria era um amor que por ela vivesse e não morresse (...).’”


“Julieta Se Sentia Estranha” é um livro um tanto infantil, melhor, um conto de Sarah Trentini que trata do inicio da puberdade. Nele a personagem principal, que se revela todas as jovens do mundo, é Julieta.


No auge de seus treze anos, com o corpo e mente inteiros em mudança, a jovem pré-adolescente fica extremamente confusa e abalada com as necessidades de uma jovem mulher. Contudo, Julieta cresce e desaborrece, se tornando uma linda mulher...


Esse conto muito curto merece uma atenção toda especial. Todos nós já passamos por esses percalços da juventude e quem ainda não passou vai passar.


Cheio de ilustrações – feitas por Camila Farah – o livreto é bastante interativo e é perfeito para todas as mães que não tem técnica em falar de assuntos assim com os filhos (sim, porque mesmo que o livro fale sobre as Julietas, os Romeus também sofrem nessa passagem!), e para as pré-adolescentes que estão passando por isso.


Eu tenho 17 anos e a minha criança interior já ficou um tanto para trás, mas assim como a Arte Editora (a mais nova parceira do blog, e que cedeu esse exemplar) disse quando enviou-me o livro essa leitura me deixou mais perto da ‘criança que ainda vive no espaço mais quentinho do coração’. Adorei!


Aqui uma opinião de minha irmã de 12 anos sobre o livro: “Eu achei muito interessante, pois a menina que era toda desengonçada,  deu a volta por cima e virou um mulherão, se casou e teve uma filha que passou pelas mesmas coisas que Julieta passou na pré-aborrecencia.”


Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:


“[...] Um dia um amigo ela encontrou e noivo dela ele se tornou, e amizade e amor Julieta descobriu que caminham juntos, assim o amigo amante se tornou.”

segunda-feira, 19 de junho de 2017

RESENHA: O RETORNO DE ELIZABETH TORNY - TATYANE NICKLAS.



Hey cupcakes! Mais uma resenha hoje, dessa vez do livro de uma autora super fofa!




LIVRO: O Retorno de Elizabeth Torny.
AUTOR (A): Tatyane Nicklas.    
EDITORA: Tribo das Letras.
PÁGINAS: 217.
SINOPSE: “Durante quinze anos os moradores cidade de Palmertorny, mas, com a chegada de uma bela jovem paranormal, esse segredo está ameaçado, e a punição pelo mal que causaram no passado está por vir.
Envolvente e excitante, O Retorno de Elizabeth Torny traz uma história cheia de suspense e drama, mas com boas pitadas de humor e sem faltar um bom e atribulado romance.
Com uma linguagem jovem e dinâmica, prende o leitor à história, trazendo-lhe sensações novas a cada capítulo. Diferentes culturas, opiniões conflitantes, crenças diversas: tudo isso acaba levando as pessoas para o inevitável “pré-conceito” daquilo que não conhecem. Um livro capaz de nos transportar para o sobrenatural, que aborda o tema polêmico da paranormalidade e nos faz refletir: Em que realmente acreditamos? Acordar de uma noite de pesadelo, pode significar vivê-los. Elizabeth Torny não nasceu assim, a tornaram assim.
Dizem que o amor liberta-nos da dor, de toda mágoa e todo rancor, dizem... Elizabeth Torny, a chave entre a vida e a morte, o sonho e a realidade. Não procure saber da verdade."


“O retorno é seu destino, a vingança sua sina.”


“O Retorno de Elizabeth Torny” traz a estória da jovem Elizabeth que volta, após 15 anos, para Palmertorny vingar a morte de seus pais e a sua. Bem, digamos que ela não morreu verdadeiramente...


Seus pais eram dotados de poderes paranormais e com eles decidiram doar sua vida para que Elizabeth se mantivesse em um sono profundo quando os habitantes do vilarejo que criaram resolvem assassiná-los por serem “bruxos”.


Enquanto dormia, Elizabeth era cuidada por sua avó e ao acordar somente uma coisa é verdade para ela: todos devem pagar pelo que fizeram a ela. A vingança é sua sina, e a morte é o destino dos moradores de Palmertorny.


Taty (autora) deu vida a paranormal Elizabeth colocando nela maldade e vingança. Mas espera ai, a personagem principal é uma vilã? Não! Apesar de ter um gigantesco rancor para com os moradores da cidade, ela é assim por não conhecer, ainda, o amor.


Seu laço amoroso apresentado no livro é com seus pais já mortos e com Edward, um de seus primeiros contatos ao chegar à cidade e também um de seus últimos, mesmo após deixá-la.


Taty é uma mulher super atenciosa e carismática e acho que ela transferiu essas “suas partes” para alguns personagens como o próprio Edward, Janet (mãe de Edward) e Jhenesy – personagem demasiadamente importante na trama.


Fora esses personagens já citados, outros também têm grande destaque, tais como: Whisper, Jennifer, Lyus e Jerry. Todos eles têm suas personalidades marcadas na obra de um jeito espetacular. Tanto que quase chegam a ser reais.


Cheio de mistério e suspense em suas palavras, “O Retorno de Elizabeth Torny” não perde em diagramação. A capa, feita por Nam Gomes, retrata lindamente algumas sobreposições de cenas da obra. Além de, é claro, a divisão de capítulos nomeados e os detalhes das paginas e das divisões de pontos de vista.


Tudo desde a própria autora, quanto à personagem conspira para tornar esse livro assombrosamente brilhante. Estou tremendamente ansiosa para conhecer mais sobre Elizabeth Torny e Os Cinco Segredos, que ela traz a tira colo. Indico!


Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:


“O sono é a morte de uns e a vida de outros.”


“-Descubra, meu irmão. Quem gosta assim deve se pendurar nas suas emoções. [...].”


“[...] a verdade não liberta, apenas constrói.” 

sábado, 17 de junho de 2017

RESENHA: PHRONUS (A CANÇÃO DA RUÍNA DOS MUNDOS) - LUCAS NANGI.




Cucpcakes, hoje trouxe a resenha de um livro grandão! Espero que gostem!





LIVRO: Phronus (A Canção da Ruína dos Mundos).
AUTOR (A): Lucas Nangi.
EDITORA: Autografia.      
PÁGINAS: 699.
SINOPSE: “"Há poder na canção de uma lenda". Após o fim da Guerra dos Imortais em que Magnus I, o Phronus Celestial, aprisionou o demônio Dushtar, as sombras voltaram a assolar o reino de Talar. Com o retorno do exército do Caos apenas os herdeiros de Magnus teriam a força e a coragem para reunir os povos livres em um último confronto. Porém, a escuridão é mais poderosa do que podem suportar e a devastação encobre seus espíritos em um cenário sem esperança. Entre batalhas fantásticas, magias e sacrifícios, traições e viagens por mundos, vencer as sombras se torna a última missão dos herdeiros os quais deverão provar  que são leais a si mesmos na batalha contra a Ruína dos Mundos.”



“Phronus” conta a história de quatro gerações poderosas. A primeira se inicia com Magnus I, o Phronus Celestial, que é tido como um ser imortal muito poderoso. Magnus I, estando do lado do bem, trava uma guerra gigantesca contra uma mulher-demônio, Dusthar. Phronus Celestial consegue aprisiona-la e segue a vida gerando dois herdeiros: Altair e Algol. Infelizmente é chegada a hora de Magnus I partir, deixando seu reino aos cuidados somente de Algol, pois Altair prefere viajar pelas terras de Talar atrás da escuridão que ronda novamente o reino. Algol se torna o rei Magnus II.


Com o novo reinado, os irmãos descobrem a volta de Dushtar e se unem com outros povos para detê-la. Mas, ela está mais forte do que nunca e mesmo anos de luta não são suficientes para extingui-la. Mesmo assim os dois irmãos seguem a vida, casando-se e gerando herdeiros a espera de uma nova oportunidade.


Os filhos de Magnus II, Arthoron e Orion, e os de Altair, Bento e Paska, são a última esperança para o reino de Brenterra (certa parte de Talar). Contudo, Dushtar também canta a sua canção e joga cartas que influenciarão na vida dos príncipes herdeiros. Uma delas é a inimizade entre Arthoron e Orion, que transforma Orion em rei Magnus III.


Batalhando dentro de si e para o reino, os três príncipes e um rei iniciam a maior e mais duradoura batalha contra a força da escuridão: Dusthar. Serão eles, finalmente, as rosas do deserto que derrotarão o mal, ou será preciso um pouco mais de resistência? A canção terminará para eles, ou para Dushtar?


Lucas Nangi (o autor) reuniu mundos extraordinários, mágicos e guerreiros em suas palavras para trazer ao mundo a história da grande guerra entre Phronus – e seus herdeiros – e Dushtar. E eu, como leitora, posso dizer que fez isso muito bem.


O livro longo, que conta com quatro repartições dentro dele, é inexoravelmente detalhista, e essas divisões ajudam bastante na compreensão da trama, pois com elas é possível se identificar muito melhor dentro do campo de batalha cheio de letras que é Phronus.


É certo que por ter um grande número de páginas e envolver anos de batalha entre as forças da luz e da escuridão, o grande número de personagens é inevitável e todos eles têm seu momento (quase um Guerra dos Tronos, só que um tanto menos ‘sensual’) e senti falta de um glossário no fim, pois em certos momentos fiquei um pouco perdida. Não sei se foi uma opção do próprio autor não colocar, ou se esse foi um dos problemas – já conversados por nós – que enfrentou com a editora. De todo caso, fica a dica Nangi!


Cada palavra escolhida no momento da escrita dessa obra valeu a pena, pois em se tratando de uma guerra tão potente quanto a do livro, acho que todas elas são especiais. Todo o interior sejam as palavras, o tipo de fonte, a pontuação, a divisão capitular nomeada e numerada, o mapa no fim... Tudo tem a sua parte na canção.


E que canção seria essa que já citei várias vezes? Bom, isso só vai entender verdadeiramente quem ler o livro inteirinho. Mas, posso dizer que é algo muito semelhante ao destino. Já se perguntou se a sua voz é ouvida pelo destino ou se ele é controlado por outra coisa que não seja a sua vontade? Pense...


Enfim, essa obra realmente me conquistou e espero ler mais e mais escritos do autor. É sucesso! Recomendo demaaaaaaaaaaais!!!


Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:


“A vingança tinha o suave sabor de sangue fresco, pensou.”


“- A traição é um grande manto que cobre Brenterra.”


“Ser corajoso não é não ter medo. Isso é atitude dos tolos somente.”


“Escolhas são sempre difíceis quando envolvem sacrifícios.”

quarta-feira, 14 de junho de 2017

RESENHA: À SOMBRA DO PERIGO (SOB A LUZ DAS GALÁXIAS) - JUDIE CASTILHO.



Hey pessoal, hoje tem resenha do espaço!





LIVRO: À Sombra do Perigo (Sob A Luz das Galáxias).
AUTOR (A): Judie Castilho.
EDITORA: Chiado.
PÁGINAS: 338.
SINOPSE: “Quando a paz no universo está ameaçada, um amor impossível pode se tornar uma poderosa arma nas mãos inimigas.
Um novo período está começando e, junto com ele, uma nova era se inicia...
Frantila está infestada de gafanhotos.
E agora que eles encontraram uma forma de atingir o poderoso presidente da
União Universal, o inimigo pode surgir a qualquer momento, vindo de qualquer lugar.
Mas...
Ser caçada pelos inimigos de seu pai não é a maior ameaça à vida de Haysla.
Ela e Benjamin estão perigosamente mais próximos.
Seus corações, devastados pelo amor.
Seus corpos, dilacerados pelo desejo.
E quando a paixão ultrapassa o limite da sanidade...
os olhos do homem amado podem refletir sua própria morte.
Só há uma rota de fuga possível para esta cruel emboscada do destino... e Haysla sabe disso. Só o amor de Keynel pode salvá-la.
Haysla está vivendo à sombra do perigo, à sombra da morte...
Mas seriam o medo e a morte capazes de fazê-la desistir de seu grande amor?
Existiria algo no universo capaz de fazê-la desistir de seu grande amor?”



Leia aqui a resenha do primeiro livro da série para não ter spoilers.


Nesse segundo volume da série Sob A Luz Das Galáxias, a autora nos mostra uma Haysla um tantinho mais madura e avassaladoramente mais apaixonada por Benjamin.


Com ‘À Sombra do Perigo’ conhecemos um pouco mais da guerra que se instalou no espaço e respinga diretamente na vida de nossos personagens principais, fazendo com que, mais uma vez, (opa!) Haysla se deixe levar por seus sentimentos e acabe sendo vítima dos gafanhotos.


Mesmo ainda amando Benjamin, a jovem mestiça se deixa levar pela sua paixão por Keynel (triângulo amoroso, sim senhor), o que acaba trazendo algumas consequências para o casal em potencial.


Contudo, o livro não se resume às paixões de Haysla. Outros personagens ganham um pouco mais de atenção aqui. Porém, Haysla será capaz de perceber as necessidades das pessoas a sua volta, ou estará sempre cega pela dor de não estar com Ben?


Mais uma vez Judie (autora) conseguiu me sequestrar da Terra e levar diretamente para Frantila para viver junto a Haysla. Só que agora, levou comigo muitas emoções!


Em meio à trama do triângulo que se tem no livro, percebemos que Haysla sofre bastante por não poder estar com Ben, por ser intolerante ao seu veneno e estar ‘compensando’ isso com Keynel, seu namorado. Confesso que essa certa traição dela me deixou com raiva em muitos momentos.


Mesmo tendo essa raiva, consigo entender o porquê dela fazer isso. Haysla sente um amor incrivelmente forte por Ben, mas não pode ficar com ele. Já Keynel está sempre ali, sendo o cara que toda mulher quer ter. Quem não ficaria confusa e triste por isso? Querer um, mas não querer magoar o outro? Difícil!


Enfim, sendo eu claramente #teamBenjamin, torço muito para que o casal fique junto, mas também não posso deixar de torcer para que Keynel encontre um amor verdadeiro e correspondido. Nosso trolk (espécie de outro planeta) merece ser feliz!


Outro personagem para quem torço muito é Violyt, a melhor amiga de Haysla. Depois de um relacionamento super decepcionante com Lohan e certo clima com o fofíssimo Donank, tenho expectativas!


Como li em outra resenha sobre a mesma obra e concordo, acho que Judie deveria colocar um pouco mais sobre a guerra entre os planetas da UniUni e os gafanhotos. Sei o livro enfoca mais o romance proibido, mas seria muito bom ter um pouquinho mais. Talvez um spin-of ou só mesmo um conto sobre a guerra ao fim da série... Que tal, parceira?!


Pronto. Agora que já falei um pouco sobre os aspectos do livro em si, falarei sobre o que senti lendo. Judie, você foi cruel. Sério, chorei rios e rios (ao fim da resenha colocarei um meme que me retrata) com o capítulo 15.


Toda a dor e desespero relacionados à intolerância ao veneno Klyso e a paixão desenfreada ganha um espaço absurdo nesse capítulo (e mais, a partir dele) que me deixou estática. Aí eu percebi o quanto estava ligada na estória. Foi um susto gigante! – Não falarei muito mais para não trazer um spoiler digno de assassinato.


Bom, sem mais delongas posso dizer que estou completamente apaixonada pela escrita e magia que essa série me trouxe. As emoções que consegui sentir com os personagens, as viagens que fiz com eles e o novo mundo que conheci são fantásticos.


Recomendo demais e já estou louca para descobrir, com o terceiro volume, se Haysla e Ben finalmente conseguirão um meio de ficar juntos ou se ainda terão que conviver com A Fúria Do Desejo!


Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:


“Talvez fosse apenas impressão, talvez fosse a tristeza de sempre, apenas vestindo um traje diferente.”


“O destino era irônico... na mais otimista das suposições.”


“Eu até acredito em mudanças, acho que a vida nos ensina e nós nos moldamos, amadurecemos... Nos transformamos em pessoas melhores. Mas de um jeito natural... e ainda guardamos nossa essência. Mas mudar porque queremos mudar, aí não. Não dá para encomendarmos uma personalidade.”




Eu e capítulo 15...


sábado, 10 de junho de 2017

RESENHA: L.O.V.E. - CARINE RAPOSO.



Cupcakes, hoje trouxe mais uma resenha de outra obra da parceira fofa Carine Raposo!



LIVRO: L.O.V.E.
AUTOR (A): Carine Raposo.
EDITORA: Produção Independente.
PÁGINAS: 42.
SINOPSE: “Oi Luíza!
Você conhece o L.o.v.e.?
É o novo aplicativo da Essex Inc., o primeiro capaz de reproduzir sensações realistas.
É isso mesmo, você leu certo.
E nós já estamos bombando!
São mais de 200.000 downloads desde o lançamento.
Sabe por quê?
Ele é extra-sensorial.
Quer saber mais?
É fácil.
Clique no link e baixe no seu celular.
Verificamos que 45 de seus amigos já estão conectados.
Só falta você.
Está preparada para a melhor experiência da sua vida?
L O A D I N G”



“L.O.V.E.” nos traz uma estória futurística com Luiza e Jorge. Ambos vivem conectados ao aplicativo L.o.v.e que serve como uma nova vida para os humanos, pois desde que foi lançado e ganhou usuários, a humanidade se viciou.


Viciou-se tanto que por conta disso perderam a capacidade de sentir, e o aplicativo os proporciona isso. Prazeres alimentícios e carnais, relacionamentos fáceis e uma vida glamorosa.  


Contudo, isso não estava certo e Jorge descobriu isso. O rapaz tenta a todo custo avisar sua amada Luiza que acaba concordado em se desconectar do aplicativo e encontrá-lo cara a cara. Mas, a vida fácil do L.o.v.e. afeta a mente de muitos e Luiza pode ter se encantado demais. Seria ela uma pessoa confiável, ou apenas mais uma viciada?


Carine (a autora) já teve duas outras obras suas resenhadas aqui no blog (O Penhasco e O Templo) e mais uma vez sua escrita chega para arrasar. Com um contexto completamente de sua trilogia inicial O Penhasco, ela agra nos apresenta a tecnologia bem mais avançada.


O conto, que foi postado no Wattpad  e provavelmente terá continuação, traz a esperança e o medo dos avanços tecnológicos que o mundo busca. A humanidade sabe que com essa tecnologia coisas infindáveis poderiam ser feitas, mas nós a usuários para o bem ou para o mal?


Essas questões estão bem presentes na obra, retratando tanto o pensamento mais a frente quanto o nosso cotidiano. Afinal, estamos todos sempre ligados à tecnologia. Será que um dia seremos tão reféns dela que não nos preocuparemos mais com a vida real?


A autora criou um mundo incrível, juntando mistério, ficção e muito suspense. A estória se desenrola rapidamente e não nos deixa larga-la. Por ser um conto, é bem curtinho, o que permite a nós, leitores, um momento rápido de prazer literário.


Escrito em parágrafos interativos como se estivéssemos realmente em um aplicativo, L.o.v.e. me conquistou e já quero mais! Recomendo!


Deixo abaixo, para vocês, a minha seleção de trechos:


“- Nós já não éramos humanos há muito tempo antes do L.o.v.e. Apenas pare e pense. Nesses poucos minutos que passei aqui, eu só pensava uma coisa. Talvez, a gente tenha morrido enquanto vivia.”




quinta-feira, 8 de junho de 2017

RESENHA: 100 FOLHAS DE AMOR - MANOEL ASSIS RODRIGUES BORGES.



Ahhh, hoje a resenha é apaixonante!




LIVRO: 100 Folhas de Amor.
AUTOR (A): Manoel Assis Rodrigues Borges.
EDITORA: Produção Independente.
PÁGINAS: 199.
SINOPSE: "Nossa vida é um paginar de folhas... Escolhamos a numeração do amor, para ser colocada no nosso livro do tempo. As folhas aspergirão perfume nas palavras escritas..."


Encontramos no livro “100 Folhas de Amor” uma grande coletânea de poemas apaixonantes, sendo eles falando sobre as mais variadas vertentes do amor.


A obra possui poemas de amor familiar, amor carnal, amor a dois, amor platônico, amor amigo, amor pelas terras natais, amor sofredor, amor alegre... Todo e qualquer tipo de amor, afinal o que seria de nós sem ele, certo?


Mesmo não parecendo, quem me conhece sabe que gosto muito de poemas e o livro de Manoel (autor) me conquistou. Como o próprio autor diz no inicio dele, seus poemas não seguem a risca a métrica intelectual, mas sim o padrão de seu coração.


Essa característica somente do autor, nos permite desvendá-lo um pouco mais do que ele permite em seus textos poéticos. Esse momento entre leitor e autor é algo que sempre espero encontrar na leitura, mesmo que pequeno, e muitas vezes não encontro.


Apesar do titulo, o livro conta com quase 200 páginas e elas transcorrem muito bem. As palavras singelas e atiçadoras em conjunto, assim como é o amor em si, formam poesias lindas, daquelas que seriam possíveis de se ler em meio a romances de jovens apaixonados antigamente.


A diagramação traz o lado mais gracioso do amor. Todas as páginas trazem pequenos desenhos de múltiplos corações diferentes e a capa, pintada por Ana Fernanda da Silveira Amorim (11 anos), mostra a meiguice com que o amor conta muitas vezes.


Ler essa obra foi uma experiência encantadora. Espero por mais obras do autor!


Deixo abaixo, para vocês, o poema que, para mim, mais tem a essência do amor:


“No Amor

No amor, quanto menos expectativa houver, melhor.
Deixe-o fluir pelas asas da emoção.
Não o aprisione em regras e ponderações
E, quando duvidas suscitarem, recolha as incertezas
De grão em grão.

No amor, não há que se ter medo de perder
O sentimento de perda não é vinculado a ele.
Do amor só se extrai a satisfação e o prazer
A alegria descontraída e intensa de viver.

No amor, não se deve barganhar.
Nele, o único escambo a existir é a cumplicidade
A permuta conivente de carinho e afetividade.
Pois amor é um sentimento raro e esplendor
E como tal, desde o nascimento, sabe apenas ofertar.

No amor, há apenas verdade...
Quem ama não mente!
Quem ama fala com o coração, somente.
E o coração é o que possuímos demais verdadeiro.

É sinônimo de autenticidade. “